OS MATERIAIS DO CÍRCULO CARMESIM

 

Série da Paixão 2020

 

SHOUD 7 – Apresentando ADAMUS SAINT GERMAIN, canalizado por Geoffrey Hoppe

 

Apresentado ao Círculo Carmesim
em 7 de março de 2020
www.crimsoncircle.com

 

 

Eu Sou o que Sou, Adamus of Saint Germain.

 

Vamos respirar bem fundo, enquanto iniciamos o Shoud de março de 2020. Hum. Sintam o cheiro no ar. Eu fiz isso enquanto a música estava tocando. Ah! Que fragrância! Hum. (O Shoud ocorreu na Villa Ahmyo, no Havaí.)

 

Como talvez tenham ouvido falar, eu estive aqui na minha encarnação como Mark Twain, Samuel Clemens, e eu adorava a beleza da ilha. E mesmo na época, enquanto eu caminhava por esta ilha, eu dizia pra mim mesmo: “Tenho que retornar algum dia. Tenho que voltar.” E, bem, aqui estamos nós. Eu não estou no corpo físico, mas estou bem próximo. Bem próximo disso, usando o corpo de Cauldre, de todos vocês. Espero que não se importem.

 

Algumas observações ao começarmos hoje. Muita gente nova está escutando e vai continuar sendo assim, então, vou parar de vez em quando para explicar alguns termos usados pelos Shaumbra veteranos. Gostei disso: “Shaumbra veteranos.” Por favor, não fiquem chateados... [É] para os que estão chegando, os novatos. Para os novatos. Vou tentar explicar da melhor forma possível para vocês entenderem e não ficarem muito confusos.

 

Então, outra observação é que aquilo que vamos falar hoje e, de fato, talvez aquilo que sempre falamos, mas particularmente hoje, pode soar meio distante, meio inadmissível, como se fosse ficção científica ou fantasia. Realmente não é isso. Vocês sabem que o mundo está mudando muito, muito rapidamente. Muitas coisas estão acontecendo no planeta, mais do que nunca em toda a história do planeta. Mas, se não parecer certo, deixem pra lá. Liberem isso. Se não parecer certo, simplesmente deixem pra lá. Vocês não têm que aceitar nada. Não têm que acreditar em nada. Sintam o que é certo pra vocês. Essa é sempre a coisa mais importante. Só porque estou dizendo algo, só porque sou um Mestre Ascenso [rindo], só porque alcancei minha Realização, não significa que vocês precisam aceitar tudo que digo. Mas já vou avisando, mais cedo ou mais tarde, vocês voltarão e dirão: “Droga! Não é que ele estava certo? Ele estava certo.”

 

 

Coronavírus

 

Assim, precisamos começar com uma discussão sobre o assunto mais quente no planeta neste momento. Qual é? Coronavírus. Coronavírus. O coronavírus é mais do que parece, e vocês verão talvez, até o final de nossa sessão de hoje, como tudo isso se encaixa.

 

O coronavírus é... bem, está nas notícias em todo o planeta no momento. Por que isso? Bem, porque...

 

LINDA: Drama.

 

ADAMUS: Drama, mas porque as notícias estão mais rápidas do que nunca. As notícias alcançam muito rapidamente as pessoas através da mídia social, de blogs e tudo mais. Muito rapidamente. Isso só mostra como algo rapidamente é levado para a consciência no planeta. Todo mundo está sintonizado. Se espalha rapidamente, as notícias se espalham rapidamente, em parte por causa do drama. E muitas pessoas se alimentam de drama. Elas adoram ser aquelas que postam algo que realmente não é verdade. E tem muita inverdade sobre isso no momento, mas tem muito drama. E, vejam, pela minha experiência, por mais que as pessoas digam que não gostem de drama, elas adoram. Elas adoram. Do contrário, ele não estaria na vida delas. Do contrário, elas o largariam. Elas se afastariam dele. Mas elas adoram. Elas se alimentam dele. É como uma forma estranha de lembrar a elas que elas estão vivas. Então, tem muito drama rolando no planeta agora com esse tal de coronavírus.

 

Alguém aqui está com o coronavírus? Devo perguntar antes de começarmos. Alguém aqui está com ele? Não? Alguém acompanhando on-line? Algum Shaumbra tem o coronavírus? Hein? Vocês admitiriam se tivessem? Vocês aqui, admitiriam?

 

Todo mundo tem. Todo mundo tem. Vocês têm o potencial dentro de vocês. Vocês têm os genes ou os cromossomos que essencialmente o têm. Ele não se manifestou, não veio à tona. Assim como cada um de vocês tem os genes e os cromossomos para o câncer e tudo mais de ruim que podem ter. Vocês não pegarão, necessariamente, por aí, mas, de repente, ele surge porque alguém chegou até vocês e deu um abraço, ficou perto. [Adamus abraça Wim.] Ah, me desculpe. Eu sinto muito. [Adamus ri.] Você tem o potencial dentro de si. Já está aí. Só é acionado por alguma coisa, acionado pela atenção. Muita atenção às notícias pode acioná-lo. Então, todo mundo tem.

 

Portanto, respirem fundo. Vocês já o têm. Não se preocupem. Isso não significa que ele irá se manifestar.

 

Num workshop recente, falei do coronavírus. Eu disse que todo vírus que existe tem seus padrões energéticos, suas origens em algo. Não é necessariamente o que parece ser. O coronavírus, por exemplo, é a energia da economia no planeta. É um desequilíbrio econômico. Aí, o vírus chega. Sabem o vírus da energia sexual? É um vírus da consciência. Ele se manifesta no corpo e na mente de formas diferentes, mas o coronavírus é um vírus da economia.

 

Olhem o que está acontecendo. Não muitas pessoas o têm. Quantas pessoas neste momento vocês acham que foram afetadas? Algum palpite? Algum palpite bom?

 

MULHER SHAUMBRA 1: Cinquenta mil.

 

ADAMUS: Quantas?

 

MULHER SHAUMBRA 1: Umas 50.000.

 

ADAMUS: Cinquenta mil. Alguém mais? Uns dois milhões, um bilhão, talvez? Não? Cerca de 80.000 já estão com ele, de fato. Nem todas foram diagnosticadas.

 

Quantas morreram com isso? [Alguém diz que foram três mil.] Quatro mil. Ótimo. É. Ou vocês assistem às notícias ou vocês são muito intuitivos. [Adamus ri.] Cerca de 4.000. Agora, isso é muita gente. Mas, no esquema das coisas, isso não é tanto assim em termos de vírus. A gripe comum, nos Estados Unidos, este ano, desde que começou a temporada de gripe... que foi mais ou menos em outubro... 39 milhões de pessoas aqui pegaram gripe. É muita coisa. Muito mais do que o coronavírus, mas não está nas notícias. E, dessas, cerca de 30.000 morreram com uma gripe comum.

 

Então, vejam a estranha dinâmica, o drama, o desequilíbrio que ocorre com toda essa coisa de coronavírus. Está nas notícias. Está em todo lugar. Todo mundo fala disso. As pessoas estão entrando em pânico. As pessoas estão indo às lojas e acabando com os suprimentos de lenço de papel, álcool gel e todo o resto. Pânico pra todo lado. Eu apareci quando Cauldre e Linda estavam fazendo compras noutro dia... e, por sinal, para os novos, Cauldre é como eu chamo este Geoffrey... Quando Cauldre e Linda estavam fazendo compras noutro dia, foi uma loucura. Nunca vi algo assim. As pessoas numa correria, empurrando umas às outras e pegando papel higiênico do carrinho dos outros e colocando no delas. [Algumas risadas] Inclusive o Cauldre! [Risadas] É incrível. Isto é, eu não estava acreditando; ele é meu canalizador! [Mais risadas]

 

Então, tem muito pânico com relação ao coronavírus. De certo modo, é bom, porque gera uma consciência global. Nada no mundo neste momento gera esse tipo de atenção, de foco. Mas, em essência, trata-se realmente da economia.

 

Vejam, cada vírus, repetindo, tem seu padrão de energia, sua razão de ser vindo de outra coisa. Este é o vírus da economia. E olhem o que está fazendo. Olhem como está afetando o planeta. Está afetando tudo. Viagem ­– as pessoas pararam de planejar viagens. Estão com medo. E as chances de pegarem isso é de cerca de 0,002%. Cerca de 0,002%. Não é muito. Mas as pessoas ficam nessa histeria. Se pensam na palavra “aeroporto”, pensam que vão pegar a coisa. Basta pensar na palavra “aeroporto”. Isso está provocando muita ruptura e vai continuar assim no que se trata de viagens – linhas aéreas, hotéis, reuniões de negócios, idas à matriz das empresas em que trabalham. Realmente qualquer coisa que exija interações com grupos será afetada no planeta.

 

Também vai afetar, em última instância, a distribuição de alimentos, porque, por exemplo, o agricultor pode não querer ir ao mercado. O motorista do caminhão não vai querer transportar as mercadorias. Ninguém vai querer ir ao supermercado, porque vai ficar com medo de pegar o vírus lá. Então, isso vai realmente ter um grande impacto na distribuição e nas mercadorias.

 

Agora, quando isso acontecer, quando ocorrer, vai ter um impacto na economia planetária de cerca de 3,5 a 4,5%. E vocês dizem, vocês dizem... Bom, quanto dinheiro você tem na bolsa? [falando com Lydia] Agora, quanto dinheiro você tem na sua bolsa? [Pausa ligeira] Pode pegar... Pegue a bolsa dela... Quanto dinheiro ela tem na... Quanto dinheiro você tem no bolso?

 

WIM: Agora?

 

ADAMUS: Agora.

 

WIM: Duzentos dólares.

 

ADAMUS: Duzentos dólares. Então, vai ter uma perda de uns quatro dólares ou algo assim. Você sobreviveria. Provavelmente, não sentiria falta deles. Você nem sequer pensaria nisso. É tudo que você tem no bolso?

 

WIM: É, sim.

 

ADAMUS: E você é da Polônia?

 

WIM: Sim.

 

ADAMUS: E você viajou até aqui?

 

WIM: Porque eu tenho cartão.

 

ADAMUS: Você tem cartão. Ahh, você tem cartão. Bem, eu ia lhe dar dinheiro pra ajudar nas coisas, porque era tudo que você tinha...

 

WIM: Obrigado.

 

ADAMUS: Mas está tudo certo. Você tem cartão. Mas vou lhe dar dinheiro mesmo assim. Só... [Wim ri.] Só, só... [Adamus dá a ele um dinheiro.] Certo, pra ajudar você a passear pela ilha. É. [A plateia faz “ooh” e algumas pessoas aplaudem.]

 

Estou tentando mostrar uma coisa também. Deixem a abundância vir até vocês. Se estiverem preocupados com toda essa coisa, deixem a abundância vir. Ele nem estava pedindo. Ele nem queria, mas recebeu. Comecem a esperar essas coisas, por falar nisso. Elas vêm até vocês. Você não veio aqui achando que seria pago por ficar sentado aí. É. Ele está dizendo: “Eu nunca vou gastar esse!” [Algumas risadas]

 

Então, vai ter um impacto, digamos, de cerca de 3,5, talvez 4,5% na economia global. Agora, isso é muito dinheiro. Isso é muito dinheiro, mas não é de fato, porque depois dessa coisa toda assustadora, tudo vai voltar ao normal. As pessoas precisarão voltar e reabastecer seus suprimentos, e vão pensar: “Oh, nossa. Eu não tinha papel higiênico suficiente. Não tinha alimento suficiente de reserva. Agora, é melhor eu repor o estoque dessas coisas também.” E então vão comprar um pouco mais.

 

Mas, no final, vai gerar um foco no mundo inteiro. No final, a coisa mais afetada será a economia. Mas, no final, ela vai voltar ao que era. Se vocês estiverem na bolsa de valores, se forem investidores, invistam agora enquanto os preços estão lá embaixo, porque vão subir de novo. Quero dizer, algumas linhas aéreas, poucas, podem deixar o mercado, mas vão dar um jeito de pegar o dinheiro de vocês mais cedo ou mais tarde. Vão sair do vermelho, logo, logo.

 

Mas eu quero que vocês sintam o que está realmente acontecendo no planeta, o pavor, o fato de que realmente não são tantos assim que têm o vírus. O pior cenário... fiz alguns cálculos... o pior cenário é que talvez 100 a 140 milhões de pessoas terão o vírus. É muita gente. É muita gente ficando doente. Muita gente de cama. Mas, no final, o índice de mortalidade não será, de fato, assim tão alto. Será semelhante ou ligeiramente superior ao da gripe comum.

 

Então, sim, muitas pessoas vão morrer, e não estou encobrindo esse fato, mas é algo que está no planeta, como o câncer, como qualquer outra coisa. Vai acontecer. Não estou minimizando a coisa, mas estou dizendo para não exagerarmos. Vamos ver isso como isso realmente é.

 

 

Equilíbrio Econômico

 

E, mais do que qualquer coisa, espero que os Shaumbra parem e deem uma olhada em seu próprio equilíbrio econômico. No próprio equilíbrio econômico. Uma das coisas mais frustrantes com que tenho que lidar quando se trata de vocês, maravilhosos Shaumbra, é o problema de dinheiro. O problema de dinheiro. E falamos sobre isso até a exaustão, sem parar. E tem gente que ainda está insistindo na falta de abundância. E tratam da coisa pelo ponto de vista mental. Dizem: “Bem, nunca tive e não sei como obter, e é a corrupção, são as grandes empresas e os grandes negócios.” Então, vocês vão continuar desse jeito. Quero que parem e digam: “Não, eu sou abundante. Eu permito a abundância.” Vocês não têm que saber nada sobre como fazer dinheiro. Vocês não têm que ter um trabalho altamente lucrativo. Não têm nem que deixar o trabalho que têm agora. E eu sei que a mente diz: “Bem, é uma conversinha bacana, mas a realidade é...” A realidade é o que vocês quiserem que ela seja, não necessariamente o que vocês acham que ela é. Então, vocês mudam toda a perspectiva que têm sobre abundância e sobre a economia.

 

Eu ouço muito das pessoas que reclamam que são essas grandes corporações que causam todo esse mal terrível a elas e ao mundo. E, vejam, isso é se colocar como vítima. Realmente, é. Não estou defendendo as grandes corporações, mas o que tenho visto é que elas se tornam tão grandes que desabam. Vejam, o que realmente faz o mundo girar são as pequenas empresas, começando com os agricultores, passando pelos pequenos proprietários de lojas, pequenos empresários e pequenos inventores e criadores. O movimento verdadeiro vem daí.

 

Quando as coisas sobem para o nível das grandes corporações, tudo fica devagar, perde a eficácia. Elas assumem pouquíssimos riscos e acabam corrompidas e substituídas. É quase um ritmo natural. Elas ficam tão grandes que realmente não podem fazer mais nada e, então, a corrupção interna se estabelece e acabam falindo. Olhem algumas das grandes empresas que não existem mais. Quero dizer, grandes durante a vida de vocês. Cauldre está me dando uma informação sobre isso. A Kodak. A Kodak era imensa. A Kodak estava em toda parte. Onde está agora? Em lugar nenhum. Nenhum.

 

Então, quero que vocês parem, nesse período de coronavírus – que vai durar aproximadamente seis meses... vocês vendo isso no planeta, nas notícias, causando muito medo e preocupação... Eu quero que vocês parem e realmente avaliem a própria economia de vocês. Será que vocês precisam de um vírus, desse vírus que meio que já está no seu corpo? Será que precisam que ele se manifeste causando essa batalha que afeta sua saúde? Ou será que vocês estão dispostos a permitir a abundância? E não se preocupem com de onde vem. Vocês não têm que começar um negócio nem nada disso. Na verdade, vocês não têm que fazer nada, exceto permitir e ele estará lá. Olhem o Wim. Mestres Ascensos entregando dinheiro pra ele, e ele nem estava pedindo. [Adamus ri.]

 

Então, há um grande pavor ocorrendo por aí no momento, um imenso pavor. E as pessoas se alimentam disso. Mas fiquem por trás da mureta, como dizia Tobias. Em outras palavras, vocês estão conscientes da coisa, mas não estão se envolvendo com ela. Fiquem por trás da mureta e deem realmente uma olhada no que está acontecendo e em como isso está afetando o planeta. Não importa de fato o que seja. Vejam, é o coronavírus, mas não importa o que seja. Olhem como isso está afetando as pessoas, olhem como está afetando a economia e, particularmente, como está afetando o planeta.

 

O planeta estava precisando de um ajuste econômico, e não estou falando de um colapso no mercado. Estou falando de um ajuste. Quase toda empresa do planeta, no momento, tem que parar, examinar e perguntar: “O que vamos fazer? Vamos deixar todos os funcionários trabalharem em casa? O que vamos fazer se não pudermos obter mercadorias da China ou da Índia? O que vamos fazer se houver uma quebra em nosso sistema de distribuição e não pudermos obter os componentes de que precisamos? O que vamos fazer se um de nossos funcionários cair doente com esse vírus?” Quase toda empresa, ao menos no mundo ocidental, está tendo que parar, examinar e perguntar: “E se...?”

 

Então, isso de certo modo é realmente inacreditável, porque está gerando esse foco na consciência. A maioria das pessoas não sabe sobre dinheiro ou economia, mas sabe que precisa parar e fazer alguma coisa. Isso vai afetar os negócios mais do que tudo.

 

Então, duas coisas. O que vocês devem fazer? Primeiro, façam uma avaliação de seu próprio nível de abundância. É preciso um vírus pra chegar e movimentar as coisas? Vocês estão verdadeiramente permitindo a abundância ou ainda estão fazendo papel de vítimas? Será que estão verdadeiramente se abrindo e permitindo a abundância?

 

E, então, o que vem depois? O que mais está acontecendo com todo esse negócio de vírus? Chega a ser interessante, muito fascinante. Isso vai fazer com que as pessoas fiquem em casa. Já está fazendo. As pessoas vão ficar em casa, vão cancelar planos de viagens, não vão a reuniões, nem vão querer sair pra fazer compras, pra ir a lugares onde tenha aglomerações, como no caso dos esportes ou coisas desse tipo. Então, vocês vão ver muitas pessoas ficando em casa e assistindo à televisão. Cauldre está me dizendo que tem uma coisa chamada Netflix. Assistindo à Netflix ou simplesmente ficando na frente do computador criando mais drama sobre o coronavírus. Então, isso vai fazer com que as pessoas fiquem em casa, meio que num período de casulo. É interessante.

 

E o que vocês também vão ver é um tipo de efeito colateral por causa das muitas pessoas que vão ficar em casa. Elas vão trabalhar em casa, mas não tanto como costumam trabalhar. Agora, elas vão ter tempo extra e muitas vão ficar entediadas. Em vez de usarem esse tempo extra, digamos, para cuidarem da saúde, do bem-estar, mesmo de seu ser espiritual, elas vão ficar em casa, totalmente entediadas, criando mais drama. Então, é isso que vocês podem esperar de agora até provavelmente o fim do verão (no hemisfério norte; nosso inverno), ou um pouco mais.

 

Quanto a vocês, vocês já estão em casa há mais tempo. E quando digo “em casa”, não apenas no seu lar físico, mas vocês foram “pra dentro” já há muitos e muitos anos. Enquanto vocês seguem para sua Realização, vocês permanecem “dentro”. Vocês já evitavam multidões e a maioria dos Shaumbra realmente não tem muita vontade de ir assistir a jogos de esporte com trinta, quarenta mil pessoas. Eles tremem só de pensar. Nem mesmo ir a um concerto de rock, a menos que seja de alguém muito bom. Vocês ficam em casa. Vocês meio que estão no casulo já há muito tempo.

 

O que fazer? Não se preocupem com isso. E Cauldre acabou de me fazer uma pergunta. Ele faz isso bem no meio de... [olhando para a câmera] Estou falando e ele está canalizando, mas nós ficamos conversando ao mesmo tempo. E eu falo com Linda e fofocamos sobre Cauldre enquanto ele tenta canalizar e ele acaba ouvindo... Mas não é tão confuso quanto parece. Ou melhor, pra ele é, mas pra mim, não.

 

Então, ele me perguntou: “E sobre tomar mais vitamina C?” [Linda ri.] Ele perguntou. “E sobre tomar mais vitamina C? Vai ajudar?” E eu direi que sim, de duas maneiras. Vitamina C é uma coisa muito boa de qualquer jeito e, de acordo com o que Linda diz, não dá pra se tomar demais. O corpo se livra do excesso. Então, não é que vocês vão ter uma overdose de suco de laranja nem nada disso, nem de vitamina C. A vitamina C é muito boa, e vai sair nas notícias em breve que a vitamina C é ótima para a prevenção do coronavírus.

 

Mas eu acho que é interessante. Eu vejo a vitamina C como se fosse “vitamina C” de “consciência”.

 

LINDA: Ooh!

 

ADAMUS: Ooh! Ooh! Então, tomem mais vitamina C e tomem mais “C” de consciência. Permitam-se estar mais conscientes, ter mais percepção sobre o que está acontecendo.

 

Então, essa foi minha fala sobre coronavírus. Vou aceitar perguntas sobre isso antes de passarmos para a próxima parte. Alguma pergunta sobre o atual coronavírus, todas as implicações? Nenhuma?

 

LINDA: Ooh! Acho que você é bom.

 

ADAMUS: Sim, sim, ou estão dormindo, mas está tudo bem. [Linda ri.] Tudo certo.

 

 

Ruptura e Distração

 

Então, uma das coisas que, definitivamente, vai acontecer com o coronavírus é... na verdade, duas coisas. Uma é ruptura. Vocês já estão vendo isso em tudo desde viagens a suprimentos nas lojas. Vai haver muita ruptura afetando quase todas as coisas. Não estou dizendo que será uma paralisação total, mas haverá uma ruptura, e as coisas que vocês estavam acostumados a ter de imediato podem não estar disponíveis tão rapidamente. Os que vivem aqui na ilha já estão acostumados a isso, mas não necessariamente os do continente. Querem agora, têm agora.

 

Então, vai ter muita ruptura em tudo. Ou seja... só examinando... assembleias. Não que seja uma grande coisa, mas vai haver uma ruptura aí. Qualquer tipo de conferência, qualquer tipo de reunião de grande porte vai sofrer uma ruptura. O impacto ao redor do mundo vai provocar grandes rupturas. Mas vocês estão acostumados a isso. Quando saíram da fase do despertar e entraram na da mestria, tudo se rompeu. Então, não vai ser grande coisa pra vocês lidar com esse nível de ruptura.

 

A outra coisa que estou achando bastante interessante com relação a isso é que é uma imensa distração. Quero dizer, uma imeeeensa distração. E algumas pessoas realmente gostam de distrações, como os políticos, porque então eles não têm que fazer coisas como construir novos hospitais, consertar estradas ou aprovar contas que façam sentido, que não sejam tão estúpidas, nem brigar uns com os outros e coisas desse tipo. Então, é uma imensa distração e vão tirar proveito disso.

 

É uma enorme distração também porque não é a verdadeira questão no planeta. Não é a verdadeira questão. É uma questão temporária, é uma distração e está repleta de drama no planeta neste momento. Mas não é a verdadeira questão.

 

 

A Verdadeira Questão

 

Vamos parar um instante e simplesmente sentir qual é a verdadeira questão. Vou pedir que coloquem música enquanto sentimos e contemplamos isso.

 

Então, tem tudo isso acontecendo com relação ao coronavírus, e vocês vão ler cada vez mais sobre ele, e vai ter um monte de fake news sobre ele. Algumas coisas serão muito boas, mas o que ocorre é uma imensa distração.

 

Aproveitem para sentir. O que realmente está acontecendo?

 

[A música começa.]

 

E todos vocês que está acompanhando on-line, todos vocês aqui, sim, eu poderia facilmente dar a resposta, mas eu gostaria que vocês a sentissem primeiro.

 

[Pausa]

 

Então, esse coronavírus nas notícias. Nossa, mesmo aqui, estamos falando dele num Shoud. Não acho que já tenhamos feito isso alguma vez. É uma grande distração. O que está realmente acontecendo?

 

[Pausa]

 

Certo, parem a música um instante. Tirem a música um momento. Pausem a música.

 

[A música para.]

 

Certo, vocês todos estão pensando demais. Estava uma confusão. Digo, todos vocês, mesmo os que estão em casa, mesmo os que estão adormecidos. Estava uma confusão.

 

Certo, vamos tentar de novo. Vamos colocar a música novamente. Respirem fundo e realmente sintam o que está acontecendo neste momento, e saiam da mente. Não fiquem só do lado humano da coisa. O que está acontecendo?

 

Certo, respirem bem fundo. E música.

 

[A música começa; pausa longa]

 

Certo, parem, por favor.

 

[A música para.]

 

Foi um pouquinho melhor, mas vocês ainda... Estão sentindo a confusão ou estão sentindo...? Não, vocês não estão sentindo a clareza. Eu sei.

 

Certo. Vamos respirar bem fundo. E não pensem nisso. Apenas sintam. O que está acontecendo? Vocês têm toda essa distração e ruptura com o coronavírus no planeta. Isso está mascarando outra coisa que está acontecendo. Está mascarando outra coisa.

 

Certo, a música novamente.

 

[A música começa.]

 

Deixem-se ir além.

 

[Pausa longa]

 

Certo, parem.

 

[A música para.]

 

Certo, vamos fazer melhor. Ainda estamos meio empacados. Alguns que estão assistindo estão realmente começando a entender, mas não muitos. Certo. Mas vou pedir à Linda que ande com o microfone e faremos um pequeno levantamento sobre o que vocês estavam sentindo. Certo, Linda. O que está realmente acontecendo com isso [com o vírus]? Vocês têm essa imensa distração, mas o que está acontecendo implicitamente?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Acho que tem a ver com soberania.

 

ADAMUS: Soberania.

 

MULHER SHAUMBRA 2: É.

 

ADAMUS: É. Em último caso, tudo tem [a ver com soberania]. É.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Autoestima.

 

ADAMUS: Autoestima.

 

MULHER SHAUMBRA 2: O sentimento de... As pessoas parecem não gostar de quem são, especialmente na China, onde isso começou. As pessoas não sentem que merecem ser livres.

 

ADAMUS: Ha-ham. Ótimo.

 

MULHER SHAUMBRA 2: E eu acho que isso será o começo da liberdade para eles.

 

ADAMUS: Certo.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Ao menos, é o que se espera.

 

ADAMUS: É. Ótimo. Na verdade, está correto. Não é exatamente onde quero chegar, mas está correto. Onde quero chegar... eh... não sei se alguém vai conseguir dizer.

 

SIGLINDE: Não dá pra esquecer o que foi dito no ProGnost. Então, penso que, de um lado, está a revolução tecnológica, com a qual a consciência pode expandir, e do outro, o caminho espiritual, onde podemos encarnar a energia viva. Daí, tem esse perigo vindo de fora de nós, como uma reação ao potencial do despertar planetário.

 

ADAMUS: Sim. É semelhante ao que dissemos no ProGnost sobre as mudanças tecnológicas. Ótimo. É, você chegou perto. Ótimo. Mais algumas pessoas. O que você sentiu? Diga qualquer coisa.

 

LULU: Bem, acho que é um ponto de virada pra realmente acontecer uma mudança e as pessoas se aprofundarem na coisa.

 

ADAMUS: Sei. Ponto de virada pra quem, pra você?

 

LULU: Pra... acho que pode ser também pra tecnologia. Por causa disso, agora a tecnologia vai tentar descobrir do que tudo se trata.

 

ADAMUS: Certo.

 

LULU: E, com isso, vai mais além com a informação, e vai abrir a consciência desses outros humanos.

 

ADAMUS: Ótimo. É. Estão chegando perto. Ótimo. Seguindo... O que você acha que realmente está acontecendo com tudo isso?

 

MULHER SHAUMBRA 3: Sinto que as pessoas estão sendo mais honestas ao dizer: “Não gosto dos outros.”

 

ADAMUS: [rindo] Certo. Isso é... tá.

 

MULHER SHAUMBRA 3: Os outros, é. Eu acho que estamos usando máscaras. Então...

 

ADAMUS: É, é mais ou menos um efeito disso. Não é a causa, mas, de repente, passa-se a ter uma boa razão pra não se querer estar com as pessoas, sem dizer não gosta delas: “Não quero me encontrar com você.” Não é preciso dizer que não quer estar com a pessoa, mas passa-se a ter uma boa desculpa. Tipo: “Eh – coff! coff! coff! [fingindo tossir] – acho que peguei alguma coisa. Talvez não devêssemos nos encontrar.” Certo, seguindo...

 

RON: Bem, continuo vendo um paralelo com o ambiente político e a separação e a desunião entre todo mundo. Fiquei me perguntando se estava escrito nas estrelas um ou dois anos atrás, mas é a mesma coisa maldita, e acho que vai haver uma autodescoberta realmente.

 

ADAMUS: É. É. Ótimo. Todos estão se saindo bem. Não é bem isso, mas todas as respostas estão boas.

 

MULHER SHAUMBRA 4: Bem, eu acho que talvez as pessoas estejam projetando sua confusão, seu nível de ansiedade.

 

ADAMUS: Sim, estão. Ou melhor, é uma excelente oportunidade pra isso. O medo delas... tem muito medo no ar agora. Se as pessoas pagassem vocês por elas sentirem medo, vocês seriam milionários hoje, porque elas vivem com medo. Mas, sim. Ótimo. Mais uma pessoa. Mais uma. O que realmente está acontecendo no momento?

 

MULHER SHAUMBRA 5: Acho que talvez um chamado para outro 11 de Setembro.

 

ADAMUS: Ah, interessante... Terroristas?

 

MULHER SHAUMBRA 5: Não.

 

ADAMUS: Oh.

 

MULHER SHAUMBRA 5: Um chamado para despertar.

 

ADAMUS: Um chamado para despertar. Sei.

 

MULHER SHAUMBRA 5: Pra levar às pessoas mais... Pra alertar as pessoas.

 

ADAMUS: Tá. Então, elas estão sintonizadas nisso tudo que está acontecendo, mas como isso vai mudar a vida delas, em última instância?

 

MULHER SHAUMBRA 5: Fazendo elas despertarem.

 

ADAMUS: Despertarem.

 

MULHER SHAUMBRA 5: Despertarem.

 

ADAMUS: Tudo bem.

 

MULHER SHAUMBRA 5: Assim como todos nós despertamos.

 

ADAMUS: Certo.

 

MULHER SHAUMBRA 5: Despertarem desse sono.

 

ADAMUS: Tudo bem. Ótimo. Certo.

 

Então, minha resposta... e alguns chegaram bem perto... Mas minha resposta é que isso é realmente uma distração do que considero ser o maior vírus no planeta e que trará outras implicações sobre as quais falaremos hoje. O maior vírus é a tecnologia. Tecnologia. E as pessoas não falam em termos de onde ela está indo, e com que rapidez, e o que ela vai fazer para a humanidade. Então, nós temos essa outra coisa em jogo aqui e todo mundo está se esquecendo de realmente olhar para o verdadeiro vírus que está ocorrendo na tecnologia. E é interessante, porque o software pode pegar vírus. Todo mundo tem medo dos vírus nos softwares. O equipamento pode, de fato, pegar vírus, mas a tecnologia em si é como um vírus no planeta neste momento. Em outras palavras, está aí. Tem o potencial de seguir por um caminho ou por outro. Ela pode deixar as coisas no planeta muito doentes ou, de fato, também pode acabar deixando as coisas muito bem. Mas essa é a grande questão. E é por isso que, quando mencionam o ProGnost, sim, está tudo relacionado a esse tipo de coisa. É a grande coisa que está acontecendo no planeta, mas, ainda assim, poucas pessoas falam sobre isso.

 

Ela está mudando não só os humanos e a humanidade, mas acabará mudando toda a criação. O que for feito aqui no planeta com a tecnologia acabará mudando tudo lá fora.

 

Então, sintam isso novamente, com a música, se for possível, Peter. Vamos sentir essa coisa da tecnologia. E eu sei que eu falo muito sobre ela, porque é algo muito importante.

 

[A música começa.]

 

É a razão pela qual vocês estão aqui nesta Era das Máquinas, era da tecnologia. É por isso que vocês adiaram a própria Realização durante várias existências. Pra que pudessem estar aqui neste momento. É a maior coisa que está acontecendo no planeta.

 

Mas é uma coisa... bem, não é que seja algo escondido, mas é silencioso. As pessoas preferem falar do coronavírus, que vai desaparecer em questão de meses, ou até o fim do ano. Mas não falam do verdadeiro vírus, o vírus que, em última instância, afetará o corpo humano, porque a tecnologia tornará possível, bem, alguém se tornar meio-humano, meio-robô.

 

Ninguém está falando sobre como a tecnologia está transformando a consciência no planeta. Acham que tecnologia é um nerd programando softwares e pessoas que os utilizam pra tornar as coisas um pouco mais convenientes.

 

Quantos aplicativos vocês têm em seu smartphone, que eu chamo de vidro de olhar? Quantos aplicativos? Trinta, 40, 50, talvez? Todos desenvolvidos para tornarem as coisas um pouquinho mais convenientes. Mas, vejam, isso é terreno fértil para um vírus.

 

Em outras palavras, as pessoas não estão parando pra realmente sentir pra onde a tecnologia está indo. E não estou dizendo que seja algo ruim. Adoro grande parte das tecnologias, mas onde isso tudo vai dar? Esse é o verdadeiro vírus, e ele não veio à tona ainda.

 

Vocês dizem: “Bem, como um vírus vem à tona, um vírus tecnológico?” Bem, de duas maneiras. Problemas com softwares, é claro. O potencial para infectar softwares no planeta inteiro, coisas que vocês agora consideram essenciais para a vida cotidiana. Vocês não pensavam assim há 20 anos, mas agora isso é essencial.

 

Mas, no final, esse mesmo vírus tem o potencial de afetar o corpo humano, assim como o coronavírus. Ele pode se apresentar como um tipo de gripe, em algo que já está no corpo, um desequilíbrio potencial que já está no corpo só que ainda não se manifestou. Pode ser uma gripe. Ou pode ser outra coisa. Então, esse potencial está bem aí e faria o coronavírus parecer um nadinha em comparação.

 

Vamos respirar fundo com isso. O verdadeiro vírus se trata da tecnologia.

 

E não é pra ficar com medo. Quando vocês entendem, quando têm consciência e compreensão, não há nada o que temer. E, quando vocês não temem, vocês não atraem a coisa. Isso nunca fará parte da vida de vocês.

 

Então, é por isso que eu digo que essa coisa é uma total distração neste momento. Toda essa coisa de coronavírus é uma total distração pra todo lado – para a política, para os negócios, pra tudo.

 

[A música termina.]

 

Mesmo os traficantes estão tendo dificuldade com isso, porque eles têm que levar as drogas ilegais para o mercado. Isso significa que as pessoas vão tocar umas nas outras, vão tocar nas mercadorias. Ou seja, não é só no comércio regular, mas em todos os negócios. E eu sinto muito. Alguns ficaram desanimados com isso. [Adamus ri.] Mas vamos respirar fundo.

 

 

Os Próximos Seis Meses

 

Tem outra coisa acontecendo no momento. Eu diria que há algo maior do que a tecnologia ocorrendo no planeta. É meio que um resultado de tudo que está acontecendo com a tecnologia, mas está ocorrendo neste momento.

 

Antes de prosseguirmos, vamos colocar a música de volta. Vou deixar o Peter maluco hoje.

 

[A música começa.]

 

Quero que vocês sintam esses próximos seis meses, primeiro num nível pessoal. Sintam os próximos seis meses de sua vida. Isso nos colocaria em setembro. Os próximos seis meses de sua vida. Conseguem sentir todo esse período? Não estou falando dos mínimos detalhes, mas, em geral, sintam os próximos seis meses da vida de vocês.

 

[Pausa]

 

A maioria das pessoas é capaz de olhar... de sentir, digamos, de sentir cerca de duas semanas à frente. Estou pedindo que sintam cerca de seis meses. Repito, sem detalhes, sem ser tipo previsão psíquica. Mas qual é a sensação geral que surge para esses próximos seis meses?

 

[Pausa]

 

E quando digo geral... vocês sentem alguma ansiedade aí? Confusão? Talvez nada? Talvez uma grande liberdade e alegria? Mas qual é a sensação para esses próximos seis meses? Uma das respostas que acabei de ouvir de alguém foi muito clara, muito clara: “Que merda!”

 

[Pausa]

 

Seis meses. O que vem por aí?

 

Agora, sintam não apenas o nível pessoal, mas sintam mais agora o nível global, nos próximos seis meses. E não apenas em relação ao coronavírus.

 

[Pausa]

 

Não tentem ser específicos, mas simplesmente uma sensação, a essência da coisa. O que estão sentindo?

 

[Pausa mais longa]

 

Certo. Ótimo. E, Linda, que tal levar o microfone novamente pra fazermos um rápido levantamento na plateia aqui.

 

O que vocês sentiram para os próximos seis meses em relação a si mesmos e, depois, em relação ao planeta?

 

[A música termina.]

 

WIM: Para mim, serão horas felizes, dias felizes.

 

ADAMUS: Horas felizes.

 

WIM: Sim, com certeza.

 

ADAMUS: Todos os dias com horas felizes...

 

WIM: Veja...

 

ADAMUS: ... na terra do Wim. Sei.

 

WIM: É, com certeza. Mas, em geral, senti que haverá um despertar em massa.

 

ADAMUS: Despertar em massa.

 

WIM: Despertar em massa.

 

ADAMUS: Tudo bem.

 

WIM: Despertar em massa...

 

ADAMUS: Quando você diz em massa...

 

WIM: Em massa, no globo todo.

 

ADAMUS: Todo mundo.

 

WIM: Não todo mundo, mas muitas pessoas.

 

ADAMUS: Quantos por cento da população?

 

WIM: Eu arrisco que 30% vai dizer: “Já chega. Tenho que recomeçar.”

 

ADAMUS: Certo.

 

WIM: Foi isso que senti durante este...

 

ADAMUS: Ah, tudo bem.

 

WIM: Tudo bem?

 

ADAMUS: Ótimo. Se isso for verdade, daremos uma grande festa pra você no Clube dos Mestres Ascensos. É. Eh, daremos de qualquer jeito, mas...

 

WIM:  Com certeza.

 

ADAMUS: [rindo] Ótimo. E tudo bem. Ótimo. Obrigado.

 

WIM: Obrigado.

 

LINDA: Certo. Mais?

 

ADAMUS: Sim. O que vocês sentiram para os próximos seis meses?

 

KATHLEEN: Pra mim?

 

ADAMUS: Ha-ham.

 

KATHLEEN: Vou ancorar minha Realização.

 

ADAMUS: Ha-ham. Como é isso?

 

KATHLEEN: Ser capaz de estar nesta realidade, na Velha Energia e na Nova.

 

ADAMUS: Certo.

 

KATHLEEN: Porque estou tentando isso agora.

 

ADAMUS: Sei.

 

KATHLEEN: Permanecer ancorada.

 

ADAMUS: Sei. Tem conseguido ficar ancorada ultimamente?

 

KATHLEEN: Varia com frequência. Aqui, ali, percebendo que estou em ambas as coisas e ficando mais confortável com isso.

 

ADAMUS: Dias bons, dias ruins?

 

KATHLEEN: Isso.

 

ADAMUS: Sei. O que...

 

KATHLEEN: Mas ficando mais confortável.

 

ADAMUS: Sei. Ficando mais confortável com os dias ruins ou os dias bons?

 

KATHLEEN: Acho que com ambos.

 

ADAMUS: Ambos. Certo.

 

KATHLEEN: Funciona nas duas maneiras.

 

ADAMUS: E o que sentiu com relação aos seis meses num nível planetário?

 

KATHLEEN: Sinto que, numa escala global, haverá mais oportunidade e reconhecimento a ser compartilhado.

 

ADAMUS: Certo. Ótimo. Você não acha que a ganância das pessoas irá predominar e, em vez de compartilhar, elas vão roubar?

 

KATHLEEN: Espero que seja uma iniciativa das áreas privada e governamental.

 

ADAMUS: Certo. Ótimo. Temos otimistas na área.

 

Sim? Pessoalmente. O que você sentiu para os próximos seis meses num nível pessoal?

 

NANCY: Pessoalmente, eu sinto que serão ótimos. Vou me sentir feliz. Não vou sentir nenhum medo.

 

ADAMUS: Certo. E globalmente?

 

NANCY: Nada, exceto o medo, está me segurando. Mas, globalmente, não sou tão otimista.

 

ADAMUS: Sei. O que você sentiu?

 

NANCY: Sempre acabo sentindo uma certa desavença ou... não sei por quê.

 

ADAMUS: Tá.

 

NANCY: Mas nós não temos que lidar com essa gente se não quisermos.

 

ADAMUS: Sei. E com relação a motins ou coisas desse tipo? Grandes tumultos?

 

NANCY: Não sei, teria que pensar sobre isso. Te digo depois.

 

ADAMUS: Tá, mas não pense demais.

 

NANCY: Pode deixar.

 

ADAMUS: Porque você não vai captar sua verdadeira...

 

NANCY: Acho que uma pessoa inteligente vai...

 

ADAMUS: ... intuição, se pensar demais. Mas, obrigado. Certo. Seguindo... Seguindo... Por favor.

 

NOMI: Bem, acho que, pessoalmente, eu farei mais trabalho manual em vez de trabalho mental na área de design, e vou plantar minha própria comida.

 

ADAMUS: Entendo as particularidades, o que você fará, mas o que você sente? Vai ser tranquilo, virá com graça? Vai ser difícil? Trará ansiedade? Trará felicidade? O que você sente para os próximos seis meses na sua vida?

 

NOMI: Pessoalmente, será relaxante.

 

ADAMUS: Relaxante, tudo bem.

 

NOMI: Porque, pessoalmente, gosto de fazer as coisas internamente, pra mim mesma.

 

ADAMUS: Certo.

 

NOMI: E eu sinto que vou trabalhar mais sozinha do que com outras pessoas.

 

ADAMUS: Certo, certo.

 

NOMI: Mas nesses seis meses para as pessoas, para o mundo, sinto que haverá mais aprendizagem...

 

ADAMUS: Vou interromper, me desculpe, mas...

 

NOMI: Sim, senhor.

 

ADAMUS: ... estou escutando o que você está dizendo. E não tem que me chamar de senhor. Só de Mestre Ascenso já está bom. [Algumas risadas] Isso não tem nada a ver com o que você estava dizendo, mas pare de buscar com tanto esforço. Está bem? Pare. Você está realmente buscando a si mesma. Pare com isso. Pare com essa tentativa constante de se encontrar. Quando você tenta se encontrar, você não para de tentar, e a coisa está bem aí. Mas você tem esse hábito de ficar fazendo um monte de coisa pra tentar se encontrar. Pare com isso! Simplesmente, respire fundo e se permita. Você jamais vai se encontrar; apenas se permitir. Tudo bem? Ótimo.

 

Agora, e com relação ao planeta?

 

NOMI: Essa parte é difícil dizer, mas imagino que o mundo está se tornando diferente e, como você disse mais cedo, as grandes empresas vão entrar em colapso.

 

ADAMUS: Não todas elas. Isto é, algumas vão, por se tornarem grandes. Certo.

 

NOMI: Ha-ham.

 

ADAMUS: Quando você sente o planeta nos próximos seis meses, você tem uma sensação boa? Ou tem uma sensação de ruptura? O que você sente?

 

NOMI: Sabe como acontece com a energia de Kali, que traz essa ruptura e que dá vida ao mesmo tempo?

 

ADAMUS: Sei.

 

NOMI: É assim, e é uma bênção para uns e dá muito trabalho para outros.

 

ADAMUS: Certo. Ótimo.

 

NOMI: Sim.

 

ADAMUS: Obrigado. Mais uma pessoa.

 

MULHER SHAUMBRA 6: Obrigada.

 

ADAMUS: Sim? Seis meses.

 

MULHER SHAUMBRA 6: Pessoalmente?

 

ADAMUS: Sim, como você se sente?

 

MULHER SHAUMBRA 6: Estou em todo lugar, e é lindo.

 

ADAMUS: Certo.

 

MULHER SHAUMBRA 6: É perfeito. Estou realmente aflorando, então, é lindo. Mas, num nível coletivo, sinto que vai haver uma nítida separação. Haverá dois blocos distintos, separados.

 

ADAMUS: Ótimo. Separados por... O que vai separá-los?

 

MULHER SHAUMBRA 6: Tudo. É a consciência. É a energia do planeta inteiro.

 

ADAMUS: Quero dizer, tem a ver com as eleições que estão chegando?

 

MULHER SHAUMBRA 6: Não, não, não. Tenho a sensação de tem a ver com a consciência coletiva.

 

ADAMUS: Não será divertido de se ver?

 

MULHER SHAUMBRA 6: Bem, é claro.

 

ADAMUS: É, mas ficando atrás da mureta.

 

MULHER SHAUMBRA 6: Sim. É uma separação na consciência coletiva.

 

ADAMUS: Certo. Ótimo.

 

MULHER SHAUMBRA 6: É.

 

ADAMUS: Certo, boas respostas. O que estou realmente querendo é que vocês sintam, e há uma tendência para ficarem pensando, e vocês pensam em particularidades. Sintam. Vou pedir que coloque uma música de novo, Peter. Ele vai me cobrar um dólar cada vez que eu pedir música hoje. Vai ficar rico.

 

[A música começa.]

 

Assim, vamos sentir novamente os próximos seis meses. Primeiro, em relação a vocês mesmos.

 

[Pausa]

 

Seis meses são um período bem curto, considerando todas as coisas. Vai até o final do verão (do inverno, no hemisfério sul), início do outono (da primavera, no hemisfério sul). O que vocês sentem? Não estou pedindo detalhes aqui, nada específico, mas qual é a sensação como um todo? Vejam, é aquela coisa que vem lá de dentro. É sua intuição, não sua mente.

 

[Pausa]

 

Certo, agora, o planeta, nos próximos seis meses.

 

[Pausa]

 

Certo.

 

[A música para.]

 

Vou falar primeiro sobre o planeta, nos próximos seis meses. “Instável”, mas não é preciso ser Mestre Ascenso pra perceber isso. Digo, meio que é isso que ocorre o tempo todo, mas ficará mais instável do que o normal. E não estou dizendo que é “ruim” nem que haverá, necessariamente, motins nem nada disso, mas ficará muito instável. Vocês conhecem essa sensação de instabilidade, quando tentam controlar as coisas com a cabeça ou tentam controlar a vida de vocês, e tudo fica incerto, sem sentido. Tudo instável, quando vocês querem que tudo pare um instante e se estabilize. Mas, nos próximos seis meses, o planeta ficará particularmente instável.

 

Vocês, nos próximos seis meses... vou voltar a isso daqui a pouco e falar uma coisa. Enquanto isso, tem algo mais acontecendo, e meio que é lá fora, além daqui.

 

 

Mudanças na Ordem do Arco

 

Muito se falou, nós falamos muito ao longo dos anos, sobre a Ordem do Arco. Para os que são novos escutando isto, é muito simples. Tobias fala bastante sobre ela na Jornada dos Anjos, mas é basicamente o coletivo de todas as 144.000 famílias angélicas. É de onde vocês vieram, de uma dessas 144.000 famílias angélicas. E elas estavam com um pequeno problema com o entendimento da energia, com o modo como ela funcionava em toda a criação por lá, bem antes de existir a Terra, bem antes do universo físico.

 

Assim, toda energia parecia que tinha meio que ficado paralisada, como se não estivesse mais expandindo, se movimentando. Estava ficando muito semelhante a piche, grudenta, e havia uma preocupação de que ela acabaria cessando e, se cessasse, tudo entraria em colapso. O que, por sinal, não aconteceria, mas havia uma preocupação de que assim seria.

 

Então, a Ordem do Arco foi criada, também conhecida por alguns de vocês – algumas religiões a mencionam – como os arcanjos, mas não se trata de um bando de anjos com asas andando por aí. Está mais para as Nações Unidas do cosmos.

 

Então, a Ordem do Arco foi criada, e consideraram muitos planos diferentes: “Como vamos resolver este impasse da energia?” E alguém teve a brilhante ideia de criar o universo físico e o planeta Terra. Heh! Devíamos ter coberto esse alguém com piche e penas, depois dessa brilhante ideia: “Vamos criar a Terra física e enviar alguns representantes de cada família angélica lá pra baixo.” E a Ordem do Arco se tornaria um portal por onde passaria qualquer um que viesse para a Terra, seria a passagem para vir para a Terra. Esse tem sido o caminho desde que os seres angélicos começaram a vir para o planeta pra assumir um corpo físico.

 

Tudo se trata de entender a relação entre energia e consciência. É só isso que significa, dizer: “Qual é a grande razão? Por que estamos aqui?” Não se trata de sofrer por seus pecados, de se arrepender por Adão ou Eva ou por ela ter comido a maçã, nada disso. Só se trata de: “Vamos descobrir a relação entre energia e consciência.” Porque ambas estão muito conectadas, mas ainda assim não carregam o componente uma da outra. Sua consciência e sua energia estão conectadas, mas não literalmente. São dois componentes separados, mas sempre trabalham uma com a contra.

 

Então, em última análise, durante um longo período de tempo, muitos seres angélicos vieram para o planeta e assumiram, existência após existência, muitas encarnações, pra chegarem ao entendimento da energia e da consciência.

 

Então, aqui estamos nós agora, no ano de 2020, e com humanos suficientes no planeta que estão desenvolvendo um entendimento da energia e da consciência, do fato de que a energia é deles. A consciência não tem qualquer energia, mas essa energia que permite que vocês tenham experiências na vida é de vocês. E existem variações em outros grupos, mas, para os Shuambra, esta é a maneira simples de colocar isso.

 

Então, existem humanos suficientes que entendem isso, que a Ordem do Arco, esse portal, está agora se desfazendo, está sendo derrubado, pois não há mais necessidade dele. Os novos ainda virão para a Terra, mas farão por meio de caminhos diferentes. A Ordem do Arco... seu trabalho está feito e há um impulso suficiente, um entendimento suficiente da energia e da consciência. Por isso o trabalho deles agora chega ao fim.

 

Isso só aconteceu, de fato, muito, muito recentemente, mas tem um impacto imenso em todos vocês, porque é, basicamente, dizer que o trabalho que vocês vinham fazendo se provou ser bem-sucedido.  O trabalho que vocês estão fazendo com a própria consciência está tendo um grande impacto.

 

 

Interferências

 

E aí tem outro aspecto importante nisso tudo. Durante éons de tempo na história do planeta, vocês e outros vieram pra este planeta, assumiram um corpo físico. Vocês compartilharam da comunidade. Vocês fizeram parte da humanidade. Mas existem muitas outras forças que ficam constantemente interferindo com o planeta, constantemente interferindo. Não adoro nem mesmo gosto de nenhuma dessas forças. Elas são o que vocês chamam de seres alienígenas. Eles não têm necessariamente uma aparência humana. Não têm sequer necessariamente um corpo físico. Mas eles vivem interferindo em vários níveis diferentes do planeta.

 

Eles tiveram permissão pra fazer isso por diversas razões e, na verdade, é meio interessante termos dois participantes aqui, hoje, da Polônia, porque esse é um dos lugares em que eles mais têm interferido nos tempos modernos. Então, quero agradecer por vocês estarem aqui [falando com Wim e com Lydia]. É muito apropriado.

 

O que está acontecendo agora, com o encerramento da Ordem do Arco, é que todas essas forças externas que faziam joguinhos no planeta, com o planeta, com a humanidade, foram chamadas de volta para suas famílias angélicas. Estão convocando-as de volta, quase que ordenando que elas voltem.

 

Então, imaginem um instante. Vocês têm este planeta, com seres angélicos vindo pra cá, assumindo a condição humana, lutando muito com isso, se perdendo aí e que, depois, acabam emergindo. Mas, ao mesmo tempo, vocês têm níveis e camadas de interferência vindo, pode-se dizer, de outras esferas, de outras partes do universo, mas também de outras esferas, não esferas terrenas. Eles interferem, eu diria, pela própria ganância. Não estão aqui pra ajudar o planeta. Realmente não estão.

 

Vou afirmar uma coisa muito claramente: Não existem forças externas que estejam aqui para ajudar o planeta, além talvez das próprias famílias angélicas de vocês, mas elas não exercem interferência. Não tem ser alienígena, não tem comando galáctico... não me façam falar dos Pleiadianos... mas estão todos sendo convocados de volta ao lar.

 

Há uma antiga citação que agora está se tornando realidade, e a antiga citação é: “Quando o dragão descer à Terra, a trombeta soará chamando de volta ao lar.”

 

Basicamente, o que isso significa é... Falamos recentemente no ProGnost 2019... Falei do dragão. O Do dragão, que está aí pra assegurar que todas as questões de vocês apareçam e sejam liberadas. Esse é o propósito do dragão. O dragão significa literalmente clareza. Alguns o veem como um monstro que solta fogo, mas ele está aí pra assegurar que vocês, os outros ou mesmo o planeta não fique mais arrastando velhos carmas e problemas. Mas a citação diz que, “quando surgir o dragão...”, que é agora... Falamos sobre isso no ProGnost um ano e meio atrás. “Quando surgir o dragão, o som, o chamado se espalhará para levar de volta ao lar todos aqueles que não estão na forma humana, que não estão no planeta.”

 

Isso é um acontecimento e tanto e ofusca qualquer coisa sobre o coronavírus. Realmente ofusca qualquer coisa neste momento, até sobre a tecnologia, pelo menos por um tempinho, e isso vai acontecer nos próximos seis meses.

 

Imaginem um instante. Quando chegou a hora de vir para a Terra, quando todas as famílias angélicas se reuniram na Ordem do Arco e disseram que precisavam de voluntários pra vir pra cá, foram realmente o que chamariam de líderes das famílias angélicas os primeiros que vieram – vocês –, e disseram que Gabriel soou a trombeta, a trompa ou o que quer que ele tenha tocado na hora, e esse foi o chamado pra vir para a Terra. Bem, agora, tem outro chamado sendo realizado pelas famílias angélicas para que retornem todos que estão interferindo com a Terra.

 

Isso vai causar uma transformação muito interessante no planeta. Muito interessante. Sempre houve muita interferência das outras esferas e, basicamente, o que estão tentando fazer é simplesmente sugar energia. Pra deixar a coisa bem simples, eles estão interferindo com o propósito de sugar energia. Eles não são nada mais avançados do que os humanos. A maioria dessas fontes de interferência não tem qualquer entendimento ou experiência desta pequena e maravilhosa coisa que vocês têm na Terra chamada de amor. Eles acham que amor é uma fonte de energia e ficam tentando se alimentar dela, mas não têm qualquer entendimento ou experiência com relação a isso. Não é uma fonte de energia. É uma experiência.

 

Muitos seres nas outras esferas gostam de interferir com o planeta, sem motivo algum. E, repito, como eu disse, em toda a criação não existem seres mais grandiosos do que os seres humanos. Os humanos olham pra si mesmos, às vezes, como estando na parte mais baixa da hierarquia de totens, como seres fracos e desorientados, e pensam que existem seres grandiosos noutro lugar aí fora. Não existem. Não existem. Existem formas de vida relativamente inteligentes, mas que não têm coração. Não têm coração.

 

Esses seres estão sendo chamados de volta ao lar agora. Será que todos eles retornarão? Nem todos, mas a maioria. Estão sendo chamados pelas famílias angélicas deles, pelas origens deles: “É hora de voltarem. Basta de exercer interferência no planeta agora.”

 

Isso tem implicações não só para o que eu chamo de forças invisíveis que causam interferência. Vejam bem, havia no planeta o que chamamos de batalhas de Deus. São esses seres do tipo deuses, mas que não são deuses realmente. Eles se autodenominam deuses e usam o planeta para travar guerras entre si. Não são seres físicos, mas usam o planeta, manipulam o planeta. Vêm fazendo isso há éons de tempo. Eles estão sendo chamados de volta.

 

Então, sintam um instante, aqui, o efeito que isso vai ter na Terra nestes próximos seis meses, quando essas forças, essas forças alienígenas, não humanas – nunca estiveram num corpo humano – forem chamadas de volta.

 

 

Implicações Planetárias

 

Sintam um instante. Que efeito isso terá no planeta?

 

[Pausa]

 

Bem, algumas coisas. Durante um período de tempo, os humanos se acostumaram a essa interferência externa, e vai ser um pouco estranho não tê-la. É como se vocês tivessem uma dor no braço há anos. Vocês se acostumaram a ela e, de repente, o braço deixa de doer. É uma sensação diferente, meio estranha. É assim que vai ser.

 

Então, os humanos, de certo modo, vão precisar assumir mais responsabilidade pelo que fizerem, mais responsabilidade, porque a coisa só dependerá deles. Não poderão culpar outras forças nem dizer que essas forças estão fazendo coisas boas para o planeta. Agora é com os humanos.

 

Esses seres estão sendo chamados, porque é a Era das Máquinas. É a era da tecnologia no planeta. Estão sendo chamado de volta ao lar, que diz: “O trabalho está feito lá embaixo. A Ordem do Arco está fechando. Vocês não têm mais direito de interferir. Ou, se quiserem, terão que descer, encarnar num corpo físico, viver existência após existência, ter carma, ter encarnações e tudo mais.” E eles não vão querer.

 

Então, eles estão partindo e isso vai gerar transformações no poder. Vai fazer com que aqueles que estavam conectados a essas forças, de repente, percam o que chamariam de base de poder, e vai fazer com que alguns deixem o planeta. Vai fazer com que alguns que estavam aqui, mesmo como observadores, voltem pra casa agora.

 

O planeta se tornará o planeta para a humanidade sem interferência externa. Agora só caberá aos humanos decidir o que farão nesta era tão importante da tecnologia. E será que os humanos utilizarão a tecnologia para aprimorar o planeta? Ou será que vamos ter um vírus que fará o coronavírus parecer insignificante em comparação?

 

Então, vocês sentirão isso. Vão sentir as transformações e as mudanças ao longo desses próximos seis meses num nível planetário, e vou pedir a cada um de vocês que meio que observem o que está acontecendo nas notícias, à medida que sentirem o afastamento dessas forças. E pode ser uma sensação maravilhosa. Agora será como se vocês não tivessem mais aquela assombração dentro de casa. Vocês não sentirão toda aquela ruptura vindo de fora e aquele negócio de ter outra força interferindo, porque elas são pesadas. E, repito, Wim, você sabe por ser da Polônia, e Lydia sabe por ser de lá, que a Polônia é um lugar lindo, mas tem sido o campo de batalha dos deuses, como dissemos quando estivemos lá [referindo-se a Anjos e Aliens]. É um local usado por essas forças externas para suas próprias batalhas e isso vinha afetando há muito tempo todas as pessoas de lá, de forma profunda e pesada.

 

Então, temos tudo isso acontecendo no planeta neste momento. Será um período muito interessante. Mas, agora, vamos falar de vocês. Vamos falar de vocês nos próximos seis meses. Vou apresentar algumas contradições aqui.

 

 

Implicações Pessoais

 

Primeiro, pedi a vocês repetidas vezes que se comprometessem com a Realização. Não é pouca coisa, porque chega primeiro na sua vida antes de qualquer coisa – antes da família, antes do trabalho, antes de qualquer coisa. É algo difícil para a maioria das pessoas. Elas não estão acostumadas a se colocarem em primeiro lugar, e se sentirão culpadas. Mas perguntei muitas vezes: “Dá pra colocarem sua Realização em primeiro lugar?”

 

Vocês não conseguem alcançar a iluminação, entrar na Realização, se colocarem os outros em primeiro lugar. Não vai dar certo. Simplesmente, não funciona. E, então, esse sentimento de culpa – “Mas e minha família e meus amigos?” – surge. É por isso que pedi tantas vezes ao longo dos anos: “Como está o seu comprometimento com sua própria Realização? Ele existe? Você está pronto?”

 

Então, trata-se de um imenso compromisso que está em jogo, mas agora a contradição é que vocês vão sentir mais dúvida do que nunca. Mais dúvida do que nunca. Isso é o que acontece bem antes da Realização. Lá dentro, quaisquer dúvidas que vocês carreguem vão vir à tona. Então, estou pedindo que, nos próximos seis meses, quando essa dúvida surgir, não lutem contra ela. Não tentem, mentalmente, justificá-la ou impedi-la. Simplesmente, percebam que é uma velha dúvida. É a consciência de massa tentando puxá-los de volta. É a parte de vocês que está muito acostumada a passar mil existências no planeta dizendo: “Será que estou realmente, realmente pronto?”

 

Então, vocês vão sentir muita dúvida. E, na verdade, sintam essa dúvida. Não fujam dela. Quero dizer, mergulhem nela. Sintam, porque tudo, seja dúvida ou alegria, seja felicidade ou medo, estará sendo levado para a sabedoria, em última instância. Em última instância, estará servindo vocês. Não tenham medo disso.

 

 

Decisões

 

E a outra coisa que pode parecer contradição é que eu peço a vocês... eu costumava falar muito com vocês sobre escolhas: “Façam uma maldita escolha. Façam alguma coisa. Façam uma escolha.” Quando primeiro começamos a trabalhar juntos, eu disse: “Simplesmente, escolham qualquer coisa, alguma coisa.” Isso porque eu queria que vocês se lembrassem que vocês podem fazer escolhas; quero dizer, grandes escolhas na vida, não escolhas mixurucas de qual meia usar ou que tipo de vinho beber, mas grandes escolhas que podem fazer.

 

Mas, agora, vou pedir a vocês que, nos próximos seis meses, não tomem nenhuma grande decisão na vida em hipótese alguma. Nada grande. Este é o que eu chamo de “momento pra planar e deslizar”. [Adamus ri.] Simplesmente, meio que se deixem levar, fiquem na sua, por seis meses. Nenhuma grande decisão. E alguns de vocês estão com grandes decisões diante de si neste momento, ou acham que estão. Não tomem nenhuma. Não estou falando de trocinho pequeno, que restaurante ir ou coisa do tipo. Troço grande. O que é um troço grande? Empregos? Relacionamentos? Permanecer no planeta? Mudar de casa? Ir pra algum lugar? E não estou dizendo pra não fazerem; só estou dizendo pra não tomarem uma decisão quanto a isso.

 

Agora é o momento de simplesmente terem confiança absoluta. Falei muito sobre confiança nesse primeiro livro que fiz com os Shaumbra, Mestres na Nova Energia, sobre confiança. Volto a isso agora e digo que realmente hora de confiarem em si mesmos cegamente, de pararem de tentar controlar, manipular tudo e, simplesmente, confiarem. Permitam sua divindade. Permitam que essa parte de si mesmos, essa parte divina sagrada de si mesmos esteja aí. Não saiam tomando um monte de decisões, mas permitam. Vocês verão muita coisa vai acontecer. Não significa que vão ficar aí sentados, entediados, por seis meses. Muitas coisas vão acontecer na vida de vocês.

 

Grandes decisões? Esperem.

 

Agora, uma pergunta acabou de surgir na Internet. Alguém acabou de perguntar: “Bem, e se eu ficar grávida?” Bem, você não terá tomado a decisão de ficar grávida. Simplesmente vai ter acontecido, então, você está segura. Você não terá tomado uma grande decisão. [Algumas risadas]

 

Se estiverem pensando em... vocês não gostam do seu emprego, estão pensando em mudar, não façam isso. Pode ser que ele mude. Vocês podem chegar lá numa segunda-feira e serem demitidos. Peçam um bom pacote de indenização, mas não terão tomado a decisão; aconteceu.

 

Vocês podem chegar em casa na semana que vem ou na outra e encontrarem a casa sem nada, sem móvel, e sua conta bancária zerada. Seu cônjuge pegou tudo enquanto vocês estavam fora. Bem, vocês não tomaram a decisão; a outra pessoa é que tomou. Então, vocês não tomam a decisão de encerrar o relacionamento; deixem que aconteça. Nos próximos seis meses, nada de grandes decisões. Simplesmente, permitam o que quer que venha a acontecer.

 

Então, eu quero fazer um merabh com isso. Um merabh, pra quem é novo, é a hora em que nós saímos da mente pra entrarmos na transformação da consciência. É uma coisa legal... vocês escutam música e permitem que a consciência se transforme. Vocês não fazem isso com a mente. Isso é um merabh.

 

 

Perguntas e Respostas

 

Mas, antes de fazermos o merabh, vou aceitar algumas perguntas, porque eu sei que, de repente... se houvesse uma mesa de telefonista da Internet, as luzinhas estariam acendendo agora. Não sei se vocês aqui em Kona têm perguntas, mas vou aceitar algumas. Quero que fique claro quando eu digo “seis meses sem grandes decisões”.

 

E a primeira pergunta deveria ser: “Os seis meses de que você fala têm algo a ver com toda essa coisa de chamado de retorno ao lar?” E a resposta é, obviamente, sim.

 

Sim? Próxima pergunta.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Eu estava pensando em talvez comprar uma casa pequena, então, isso é considerado uma grande decisão?

 

ADAMUS: Sim. [Ela ri.] É.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Certo.

 

ADAMUS: É. Bem, o quão pequena é a casa?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Eh, um quarto.

 

ADAMUS: Um quarto.

 

MULHER SHAUMBRA 2: É.

 

ADAMUS: Bem, pra você, essa é uma grande decisão? Digo...

 

MULHER SHAUMBRA 2: Não, realmente.

 

ADAMUS: Não, realmente.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Não.

 

ADAMUS: Então, tudo bem, mas, se tiver que ponderar a respeito disso – “Será bom? Será ruim? Devo comprar? Não devo? Tenho o dinheiro?” –, não. Se não for uma grande decisão, se for mais ou menos como algo que você faz todo dia...

 

MULHER SHAUMBRA 2: Sim, é algo que faz sentido realizar.

 

ADAMUS: Sim, sim. Tudo bem. É, mas, se sentir como se fosse uma grande decisão, se estiver se estressando ou tiver que pensar, então, não faça. Simplesmente, espere.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Tudo bem. Obrigada.

 

ADAMUS: O que mais? Está pensando em alguma outra grande decisão?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Ooh. Talvez você saiba. [Adamus ri.] Me diga. [Ela ri.]

 

ADAMUS: Eu gostaria que você sentisse isso. O que mais?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Um relacionamento, talvez?

 

ADAMUS: Sim. Isso mesmo.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Então, eu não vou decidir. Vou manter qualquer que seja a coisa...

 

ADAMUS: Sim, sim. [Risadas]

 

MULHER SHAUMBRA 2: ... estranha.

 

ADAMUS: Você quer nos contar sobre isso?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Tá tudo bem pra mim.

 

ADAMUS: Como é o relacionamento?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Oh, é uma coisa que vem acontecendo há anos, mas não é algo realmente concreto.

 

ADAMUS: Certo, certo. É.

 

MULHER SHAUMBRA 2: O que é... o que descobri que, na verdade, funciona pra mim.

 

ADAMUS: Quantos anos?

 

MULHER SHAUMBRA 2: Sete.

 

ADAMUS: Oh. É, não tome nenhuma decisão sobre isso neste momento.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Certo.

 

ADAMUS: Agora não é uma boa hora pra esse tipo de... essa é uma grande decisão.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Tudo bem.

 

ADAMUS: Sim, sim.

 

MULHER SHAUMBRA 2: Tudo bem. Obrigada.

 

ADAMUS: Ótimo. É.

 

LULU: Certo, então, neste ponto da minha vida, estou meio que sem um teto.

 

ADAMUS: Ha-ham.

 

LULU: Não tenho uma casa.

 

ADAMUS: Certo.

 

LULU: Então, eu estava pensando em...

 

ADAMUS: Onde você dorme à noite?

 

LULU: Em hotéis.

 

ADAMUS: Hotéis. Pode ser legal.

 

LULU: Sim, e muito caro. [Ela ri.]

 

ADAMUS: Sim, sim! Bons hotéis?

 

LULU: Bons hotéis.

 

ADAMUS: Oh, ótimo, ótimo. É.

 

LULU: E, na verdade, eu comprei um Tesla, com recarregamento gratuito de energia, e estou viajando sem gastar um tostão.

 

ADAMUS: Você pode anexar um trailer ao Tesla e, então, passa a ter uma casa e um carro.

 

LULU: Eu já tenho um trailer.

 

ADAMUS: É. Está vendo? Não está sem teto.

 

LULU: Bem, ainda está na loja.

 

ADAMUS: Então, qual é a sua pergunta? Você ia comprar uma casa?

 

LULU: Eu estava no processo de comprar uma casa pra fixar residência.

 

ADAMUS: Sei. Já procurou?

 

LULU: Sim.

 

ADAMUS: Já tomou uma decisão sobre a casa?

 

LULU: Já fiz a proposta, mas...

 

ADAMUS: Ah, então, está tudo bem pra você. Você já tomou a decisão. É. Está tudo bem. É. Então, não se preocupe.

 

LULU: Mas a empresa de financiamento ainda não tomou uma decisão pra mim.

 

ADAMUS: Certo. Bem, é quando eu digo pra então permitir que as coisas aconteçam. Certo. Mas você já tomou a decisão antes disto, então, é negócio fechado. Agora, só deixe estar e veja o que acontece.

 

LULU: Tudo bem.

 

ADAMUS: Tudo bem?

 

LULU: Tudo bem.

 

ADAMUS: Ótimo. É um trailer grande? [Algumas risadas]

 

LULU: É um Mercedes Wind 5, é assim que se diz? É.

 

ADAMUS: É. Bem grande.

 

LULU: É um trailer bem bacana.

 

ADAMUS: É, ótimo.

 

LULU: É.

 

ADAMUS: Certo. Mais algumas perguntas.

 

JEAN: Eu só gostaria de saber o que vai acontecer com as pessoas que vão ler isto no futuro, que não estão aqui hoje.

 

ADAMUS: Sim. E como você responderia a isso?

 

JEAN: Estejam no momento.

 

ADAMUS: Isso se aplica a quando eles lerem, quando eles assistirem.

 

JEAN: Certo. Obrigada.

 

ADAMUS: Vai se aplicar, então.

 

JEAN: Obrigada.

 

ADAMUS: Então, para este grupo que está assistindo agora ou num futuro imediato, isto se aplica agora. Se estiverem assistindo depois, isto se aplica ao tempo em que estiverem assistindo. Sim, porque, do contrário, seria...

 

Você não está intimidando ninguém, está? [Algumas risadas]

 

JESSICA: Eu estou realmente ansiosa, mas...

 

ADAMUS: Está tudo bem.

 

JESSICA: ... tenho que me levantar?

 

ADAMUS: Sempre é bom. Não, não. Pode ficar sentada, por favor.

 

JESSICA: Vou me casar em agosto, e acho que essa é uma grande decisão.

 

ADAMUS: Essa é uma grande decisão, sim.

 

JESSICA: Uma enorme decisão. Quero dizer, eu acho que eu não mudaria de ideia.

 

ADAMUS: Você conhece a pessoa? Quero dizer, você já encontrou essa pessoa? [Risadas]

 

JESSICA: Estamos juntos há dez anos.

 

ADAMUS: Oh, dez anos.

 

JESSICA: Isso.

 

ADAMUS: Não é uma grande decisão. E vocês já tomaram a decisão de se casarem.

 

JESSICA: Então, está...

 

ADAMUS: Certo, certo.

 

JESSICA: Tudo bem.

 

ADAMUS: É. Não, está tudo bem pra você.

 

JESSICA: Que bom! [Ela ri.]

 

ADAMUS: Está tudo bem com você. É. Uau! Uau! É.

 

JESSICA: Meu coração está tão acelerado!

 

ADAMUS: Não, se já assumiram o compromisso com alguma coisa – se casar, engravidar, comprar uma casa ou iniciar um negócio –, se já tomaram uma decisão, então, vão em frente com isso. Estou falando de qualquer nova grande decisão neste momento.

 

JESSICA: Certo.

 

ADAMUS: Ótimo. Oh, e já posso sentir, enquanto estou falando aqui, que a mídia social dos Shaumbra está acesa neste momento, com toda esta conversa. É. Ótimo.

 

MICHELE: Por quê?

 

ADAMUS: Por quê? Por quê? Oh, pensei que fosse só uma pergunta filosófica.

 

MICHELE: [rindo] Não!

 

ADAMUS: Por quê? Porque sim. Por quê? Faremos um merabh e explicarei melhor, mas você acha que é por quê?

 

MICHELE: Bem, por causa de todas as mudanças e coisas que estão acontecendo e por estarmos mudando também, e porque as coisas que dependem das decisões que podemos tomar hoje serão diferentes daqui a seis meses por causa de quem seremos daqui a seis meses.

 

ADAMUS: Perfeito. É.

 

MICHELE: Certo.

 

ADAMUS: É. Agora não é um bom momento pra se tomar decisões, porque mudanças estão acontecendo dentro de vocês em muitos níveis diferentes e, se tomarem uma decisão hoje, ela realmente pode não ser adequada daqui a seis meses.

 

Além disso, quero que vocês se acostumem agora a permitir e a confiar em si mesmos. Não em forças externas. Mas permitir e confiar que vai dar certo pra vocês. Também vamos tratar de ter que tomar bem menos decisões. A coisa simplesmente estará lá pra vocês, e assim é com o Merlin. Assim é com o Mestre interior. Ele está lá antes de vocês precisarem dele. Vocês não têm que se debater no velho processo humano de tomada de decisão, não com muita frequência, em todo caso. Vocês podem se ocupar o dia todo decidindo o que vão comer ou beber ou onde vão dar um passeio, mas as grandes coisas começam a se resolver sozinhas. É um modo incrível de se viver. E é estranho que isso esteja acontecendo também neste momento do chamado de retorno ao lar. Não são vocês que retornam ao lar, mas aqueles que ficavam aqui interferindo com o planeta e que estão agora sendo convocados para voltar. Isso. Ótimo.

 

KATARINA: Você meio que já respondeu à minha pergunta, porque minha pergunta... no momento, tanta coisa está mudando na minha vida, e eu fico com a sensação de que tenho que tomar muitas decisões.

 

ADAMUS: Isso não é um fardo? “O que será que tenho que fazer?” Dá pra imaginar não ter que fazer nada disso? As coisas meio que se resolvem.

 

KATARINA: Sim. E foi isso que você disse, e meu coração, tipo, se abriu, porque eu tenho a sensação de que não consigo sequer tomar essas decisões, e que essas coisas estão acontecendo... Então, o que estou tentando fazer é, tipo, seguir meu coração e, tipo, ir com o fluxo e ver onde a coisa me leva.

 

ADAMUS: Isso.

 

KATARINA: Mas, em determinado ponto, as pessoas precisam... tipo, na realidade da vida humana... elas precisam tomar decisões.

 

ADAMUS: Sei.

 

KATARINA: Então, trata-se de permitir e as coisas acontecem, e o único medo que fica é: “Se você não...” – eu ouvi isso – “Se você não tomar uma decisão, eu tomarei por você.”

 

ADAMUS: É, e isso é apropriado para a maioria das pessoas, mas não pra onde estamos indo agora.

 

Para a maioria das pessoas, é importante que elas tomem as decisões, que elas passem pela experiência, assumam a responsabilidade. Mas, agora, nós estamos realmente “mudando de estação” e vocês vão perceber que não têm muitas decisões a tomar. As coisas vão simplesmente acontecer e são vocês, é a divindade de vocês, o Mestre, o Merlin, como queiram chamar, e as coisas vão acontecer. A casa vai estar lá, o trabalho vai estar lá, o relacionamento vai estar lá. Quando vocês estão no modo humano de tomada de decisão, a coisa fica mental, às vezes... não, fica mental quase que o tempo inteiro, e o que acontece é que vocês acham que estão tomando decisões baseadas em fatos, mas estão tomando decisões baseadas em limitações.

 

Quando vocês param de tentar tomar grandes decisões na vida, isso abre vocês e libera as limitações, e, de repente, vocês percebem que as coisas acontecem, são muito apropriadas, não são assustadoras e são perfeitas pra vocês. E vocês vão perceber que não precisam mais tomar todas essas decisões pequenas ou mesmo medianas. As coisas simplesmente acontecem, mas preenchem seu coração. E, de certa forma, vocês podem dizer: “Eu já tomei a decisão. Eu tomei a decisão de ser tudo que Eu Sou.” E agora tudo está acontecendo.

 

KATARINA: É, faz muito sentido.

 

ADAMUS: Então, deixe de... você começou dizendo, ah, que tinha todas essas decisões a tomar... fiu!

 

KATARINA: É, muita coisa aconteceu. Eu nem cheguei a decidir nada. As coisas simplesmente aconteceram, e, de certo modo, foram melhores do que eu sequer poderia imaginar.

 

ADAMUS: Sim.

 

KATARINA: Então, agora é um momento estranho, mas ótimo...

 

ADAMUS: Melhor do que você sequer poderia imaginar. Essa é a chave. Essa é a chave.

 

KATARINA: Sim! [Ela ri.] Sim.

 

ADAMUS: E, muitas vezes, quando um humano se envolve na tomada de decisão na vida, essa é realmente baseada em limitações. Sintam que muitas das decisões que vocês tomaram na vida não foram baseadas em potenciais imensos, que vão muito além de tudo. Foram baseadas em limitações. Foram baseadas em... e eu digo o tempo todo, cada decisão humana, cada escolha, é baseada na emoção, não no intelecto, não em fatos. Ela se justifica com os fatos, mas cada decisão, mesmo sobre o que vão comer hoje à tarde, é uma decisão emocional. E aí vocês a justificam dizendo: “Mas é mais saudável pra mim.” Ou como for. Mas cada escolha, cada decisão, é baseada em emoções.

 

O fato é que estamos seguindo para além de toda essa necessidade de tomar todas essas decisões realmente limitadas na vida. A questão aqui é que é hora de vocês verdadeiramente caminharem com o Mestre, verdadeiramente caminharem com o Merlin, que já está aí dentro de vocês. Ótimo.

 

Mais duas perguntas e, então, faremos um merabh. Sim. Vá até lá atrás [falando com Linda].

 

HORACE: Obrigado. Eu estava planejando comprar uma casa este ano, seja um apartamento, uma casa ou mesmo algo em construção, e parece que não consigo encerrar o ciclo do aluguel. Estou novamente pagando aluguel.

 

ADAMUS: Certo.

 

HORACE: Então...

 

ADAMUS: Mas você já tomou a decisão.

 

HORACE: Tomei, sim.

 

ADAMUS: Tudo bem. Agora, você nem tem que se preocupar com isso. As coisas vão acontecer. A decisão já foi tomada, então, você não está tentando tomar uma decisão. Você não está de pé, aqui, agora, perguntando: “Devo ou não devo?” Você já assumiu o compromisso. A energia já está em movimento. Já está reunindo as coisas que vão ser necessárias pra que isso se manifeste pra você.

 

Você pode jogar o jogo e fingir que está tomando uma decisão sobre se deve ser um apartamento ou uma casa, neste preço ou naquele. Você pode jogar esse jogo, mas eu liberaria tudo isso agora e observaria a energia chegar e servir você, em vez de ficar com todas essas decisões, preocupações e tudo mais. E vai ser assustador, às vezes, porque você fica: “Ah, eu devia pensar nisso. Eu devia tomar decisões. Eu devia focar naquilo.” Não. Não.

 

HORACE: Bem, não é realmente dúvida. É mais uma irritação ou raiva. Estou de saco cheio.

 

ADAMUS: É.

 

HORACE: Eu quero que a coisa ande.

 

ADAMUS: Certo. Mas você já tomou a decisão.

 

HORACE: Já.

 

ADAMUS: Então, está tudo bem. Só estou dizendo que, a partir de agora, não tomem grandes decisões por seis meses. Você já decidiu que isso é o que você quer, então isso já está a caminho.

 

HORACE: Tudo bem.

 

ADAMUS: Está vindo pra você.

 

HORACE: Obrigado.

 

ADAMUS: Eu estou falando sério aqui. E não será necessariamente o que você espera hoje.

 

HORACE: Ótimo. Eu sei que estou me limitando e fico satisfeito em ouvir isso. Então, é ótimo. Obrigado.

 

ADAMUS: Ótimo. Mais uma pergunta. Eu sei que tem mais uma pergunta em algum lugar aqui. Talvez não.

 

HOMEM SHAUMBRA 1: Eu não tenho uma pergunta. Eu só... Eu vou alcançar a Realização. Porque, depois de seis meses, eu acho que eu vou alcançar a Realização. [Ele ri.]

 

ADAMUS: Tá. Tudo bem. Ou talvez antes de seis meses.

 

HOMEM SHAUMBRA 1: Oh. Hein?

 

ADAMUS: Talvez você alcance a Realização antes de seis meses.

 

HOMEM SHAUMBRA 1: Agora, antes de seis meses?

 

ADAMUS: É.

 

HOMEM SHAUMBRA 1: Oh. Seis meses, antes de seis meses, eu só alcanço a Realização. [Ele ri.]

 

ADAMUS: É. Ótimo. Isso é bom. É, mas você já fez uma escolha pra isso, então, não precisa se preocupar. É.

 

HOMEM SHAUMBRA 1: Obrigado.

 

ADAMUS: Obrigado. Certo, agora, vamos colocar a música.

 

 

Merabh

 

Certo. É hora do merabh, hora de simplesmente permitir uma transformação da consciência.

 

[A música começa.]

 

Vou ficar falando um pouquinho. Isso é o que eu faço durante um merabh, mas não muito. É hora de respirarem fundo e – uau! – sentirem tudo que está acontecendo.

 

Vocês têm esse tal de coronavírus. É uma grande distração. Está rompendo com um monte de coisas, mas é, na verdade, uma grande distração das outras coisas que estão acontecendo no planeta. Digo, é real. Trata-se da economia. Deixa todo mundo preocupado e nervoso.

 

Então, vocês têm essa outra coisa acontecendo sobre a qual a maioria das pessoas jamais tomará conhecimento. Ao mesmo tempo, agora, a Ordem do Arco está is fechando. Não é mais necessária. Existem humanos suficientes no planeta realmente começando a entender sua relação soberana com a energia, com sua própria energia.

 

A Ordem do Arco não é necessária. Outros chegarão a este planeta, mas existem muitas novas Terras agora. Eles também irão para lá.

 

E, à medida que a Ordem do Arco encerra seu negócio, estão chamando de volta aqueles que causam interferências.

 

As famílias angélicas estão chamando esses de volta: “É hora de voltar pra casa, agora.”

 

Isso não vai afetar só aqueles que ficam presos nas esferas invisíveis do planeta. Vai afetar os humanos com os quais eles trabalham. E nem todos são sinistros. Nem todos estão tentando causar estragos no planeta. Alguns estão aqui para aprender coisas para as famílias angélicas deles.

 

Estão sendo chamados de volta e vou afirmar uma coisa aqui. [Adamus ri.] Cauldre não quer que eu diga isso, mas vou afirmar uma coisa ousada aqui. Coloco os Pleiadianos na mesma categoria daqueles que causam interferências. Não tenho nada de bom pra dizer sobre os Pleiadianos e aqueles que estão dizendo: “Bem, vamos todos ter paz, amor e alegria.” Não Eu não gosto deles. Eles mentem. Eles trapaceiam. Eles interferem com este planeta há muito tempo. Eles convenceram pessoas realmente boas a fazerem canalizações deles. São manipuladores. São ladrões de energia. E muitos desses supostos canalizadores de Pleiadianos vão parar de canalizá-los, porque, de repente, vão sentir que não tem mais nada lá. E alguns vão continuar com isso. Será algo totalmente falso, porque os Pleiadianos estão sendo chamados de volta. E podem dizer a eles que eu disse isso.

 

Sim, fui banido de Sedona. Fui, e tenho muito orgulho disso. Já perceberam que sou o único Mestre Ascenso que não ter permissão pra voltar a Sedona? [Adamus ri.] Com toda razão.

 

Então, tudo isso está acontecendo. Eles foram chamados de volta pra casa, então, o planeta agora pode seguir por conta própria, do seu próprio jeito, com a própria população. Ele pode cuidar dessa nova espécie de humanos sem a interferência. Pode entrar em todo um novo entendimento da energia e da consciência sem essa nuvem de interferência alienígena.

 

Estes próximos seis meses serão muito interessantes. E, repito, não vejam só as manchetes, mas o que está por trás delas, nas entrelinhas, nas outras páginas das notícias, se ainda lerem jornais. Eles ainda existem?

 

Mas sintam o que vai acontecer no planeta nestes próximos seis meses e, o mais importante, como será pra vocês, pessoalmente.

 

Nada de grandes decisões. Há uma razão pra isso. Vocês estão saindo de um tempo, agora, em que tinham que tomar todas essas decisões por conta própria, fosse sobre relacionamentos, moradia, trabalho, filhos ou direcionamento na vida, e agora não precisam mais fazer isso. Vocês vão descobrir que aquilo que está realmente em seu coração, que está verdadeiramente em seu coração – não as decisões que estão na mente, mas aquilo que está verdadeiramente em seu coração – vai começar a se manifestar na sua vida.

 

Antigamente, quando vocês entravam na mente, vocês, na verdade, se atolavam com um monte de decisões ou oportunidades na vida.

 

Agora, chegou a hora de realmente confiarem.

 

Vocês tentam achar que precisam tomar decisões sobre todas as coisas. Bem, isso meio que significa não estar com confiança. Agora é a hora de confiar que vocês – o Merlin, o Mestre, vocês – fazem todas essas coisas acontecerem.

 

Não é uma força externa. É, na verdade... À medida que essas coisas forem acontecendo na vida de vocês agora, à medida que seus verdadeiros desejos do coração começarem a acontecer, vocês perceberão que vêm realmente de vocês. De uma parte de vocês que vocês deixaram trancada por muito tempo.

 

E, depois do período de seis meses sem tomar grandes decisões, acho que vocês começarão a perceber que não precisarão mais tomar muitas grandes decisões.

 

Vocês estarão num fluxo totalmente diferente. Vocês estarão num estado diferente de graça, e isso, simplesmente, está acontecendo.

 

O que está acontecendo é que a energia está respondendo a vocês, sua energia está respondendo ao seu coração. Não é a mente tentando entender tudo a partir de um estado de limitação. Mas vocês, de repente, percebem que é assim que a energia trabalha. Ela sente o coração. Ela sente os verdadeiros desejos e, então, a coisa simplesmente acontece.

 

A energia serve vocês. Ela traz as pessoas certas, no momento certo, na oportunidade certa. Vocês não têm que se esforçar pra isso, se estressar.

 

Assim, pelos próximos seis meses, nada de grandes decisões. Simplesmente, confiem, permitam e observem como as coisas estão mudando.

 

É tudo meio que um momento interessante de convergência. Com os alienígenas que causam interferências sendo chamados de volta pra casa, agora, com todo esse negócio acontecendo no planeta, com o coronavírus, com todas as mudanças na tecnologia, olhem como tudo está meio que convergindo.

 

Respirem fundo e vejam onde vocês estão neste momento: se elevando acima do ruído, da confusão e do caos.

 

Respirem bem fundo.

 

Assim, com isso, vocês não têm que se preocupar com as grandes decisões e, simplesmente, observem, então, como a energia trabalha de um modo diferente pra servir vocês.

 

[A música para.]

 

Com isso, é um prazer, como sempre, estar com vocês. Voltarei a Kona sempre que formos fazer o Shoud aqui ou em qualquer outra ocasião.

 

Vamos respirar bem fundo enquanto encerramos esta sessão. E lembrem que tudo está bem em toda a criação. Obrigado. [Aplausos da plateia]

 

 

LINDA: E assim é. Com isso, eu peço a todos que continuem respirando bem fundo e deixem estabilizar esse compromisso consigo mesmos para os próximos seis meses. Respirem até saberem que vocês podem permitir isso, fazer isso. Respirem bem fundo. Respirem bem fundo em sua vida. Respirem. Obrigada por fazerem parte do Shoud no Havaí. Retornaremos em 4 de abril de 2020. Será 4, 4, 20, 20. Então, voltaremos pra cá. Muito obrigada. Obrigada por acompanharem on-line, estarem aqui e no mundo todo. Obrigada, sempre. Obrigada a nossa equipe e a todos que tornam isto possível. Obrigada, particularmente ao Adamus e ao Geoffrey. Obrigada.

 

 

Tradução de Inês Fernandes – mariainesfernandes@globo.com