OS MATERIAIS DO CÍRCULO CARMESIM

 

Série das Asas

 

SHOUD 4 – Apresentando ADAMUS SAINT GERMAIN, canalizado por Geoffrey Hoppe

 

Apresentado ao Círculo Carmesim
em 9 de dezembro de 2017
www.crimsoncircle.com

 

 

Eu Sou o que sou, Adamus of Sovereign Domain. [Aplausos da plateia]. Obrigado.

 

Que alegria estar aqui com vocês neste final de ano. Na realidade, hoje à noite, no Clube dos Mestres Ascensos, teremos uma enorme celebração e um jantar, mais ou menos como vocês vão fazer aqui no Clube dos Mestres. Só que o nosso é no Clube dos Mestres Ascensos. [Algumas risadas] Mas teremos uma enorme celebração. Estamos celebrando vocês terem conseguido chegar ao fim do ano. [A plateia ri, vibra e aplaude.] É sério. Essa é uma imensa realização, considerando como as coisas estão desafiadoras neste momento – e é sobre isso que vou falar hoje –, mas o fato é que vocês chegaram ao fim do ano com todas as dificuldades. As malditas dúvidas de vocês.

 

Vocês não gostariam de tomar uma pílula antidúvida? Bem, vocês gostariam, mas não tomem. [Algumas risadas] Algo que vocês pudessem tomar que fosse natural, seguro e eficaz? Só tomar uma pílula e liberar todas as suas dúvidas? Porque realmente essa é a coisa que mais segura vocês, a dúvida com relação a si mesmos.

 

Se não duvidassem, se não se preocupassem com o que os outros vão pensar... E eu sei que todos vocês dizem: “Bem, eu realmente não ligo para o que os outros pensam.” Mas, na verdade, como seres compassivos, vocês ligam sim, bem mais do que deveriam. Se não ficassem preocupados em perder tudo... livrar-se das dúvidas, mas talvez perder tudo... Mas vocês já perderam. [Algumas risadas] Se vocês não... Podemos rir disso. [Mais risadas] Se não ficassem tão preocupados com sair da mente, digo, enlouquecer de fato... Vocês veem as pessoas nas instituições, babando, com as pessoas tendo que atender todas as necessidades delas – não parece tão ruim, parece? [Risadas] – sem as faculdades mentais. Se não ficassem preocupados com isso e não ficassem preocupados com cair fora da existência, digo, como se tudo parasse, e se não ficassem preocupados com estarem tão entediados com a percepção humana do que vocês acham que acontece na iluminação – “Tudo vai dar certo. O que vou fazer o dia inteiro?” Dica: Deem um “e” nisso. Criem um pouco de drama só pra se manterem na coisa humana.

 

Mas, se não tivessem todas essas dúvidas, imaginem como seria fácil, como seria divertido, não teriam aquele trabalho árduo diário, aquele trabalho árduo mental, emocional, que bota vocês pra baixo. Vocês pensam em tudo. Imaginem se vocês tomassem uma pílula antidúvida e não duvidassem do que fossem fazer; apenas fizessem, não se importassem com o resultado, não ligassem se fosse algo bem-sucedido ou não, porque aprenderam que é um julgamento muito humano das coisas. Se vocês não duvidassem e tudo simplesmente fosse uma experiência de alegria e só. Não se importassem com o que os outros pensam, com o que vocês ganham ou perdem, sabendo que nunca sairiam da existência. Imaginem como seria libertador pra todos vocês.

 

Então, examinando isso no final do ano, eu digo: “Vocês conseguiram. Foi um ano muito bom.” Houve alguns desafios ao longo do caminho, bem, muitos desafios ao longo do caminho. Vocês estão passando por uma coisa muito, muito interessante – nos últimos dois meses mais ou menos –, uma coisa muito, muito interessante. Vou explicar um pouquinho sobre isso quando começarmos realmente o shoud hoje. Mas vocês conseguiram chegar ao fim do ano. Vocês estão aqui. Assim, estamos comemorando hoje à noite no Clube dos Mestres Ascensos, mais ou menos como vocês comemoram aqui, exceto porque temos uma comida melhor e um vinho melhor. [Risadas] E geralmente uma companhia melhor.

 

LINDA: Ohh! [A plateia faz “ohh!”.]

 

ADAMUS: Deixem-me explicar por quê. Adivinhem que é o convidado de honra esta noite?

 

LINDA: Jesus.

 

ADAMUS: Jesus. Com certeza!

 

LINDA: Ohh! Uou!!

 

ADAMUS: Com certeza. Estão vendo? [Linda vibra orgulhosa e mostra o suéter dela com um Jesus dançando.] Com certeza.

 

Agora, Jesus – Yeshua, por favor –, Yeshua não é um ser com alma. É uma energia coletiva, é a energia coletiva de vocês e de muitas outras pessoas no planeta. Mas Yeshua não é um ser com alma como vocês são. É como uma composição com um pouquinho de vocês todos que se tornou essa coisa chamada Jesus. Então, Jesus vai aparecer hoje, meio que como um convidado de honra na festa, e vamos contar piadas de Jesus. [Algumas risadas] É. E vamos contar histórias de Jesus. Vamos rir muito com todo esse mal-entendido sobre quem Yeshua realmente foi, quem Maria e quem Maria Madalena realmente foram. São tantos conceitos errôneos sobre ele a que as pessoas ainda se prendem tão firmemente. Porque elas se prendem é ao sofrimento. Elas gostam de ficar presas nessas velhas histórias onde ele é colocado numa cruz, perseguido, chicoteado e tudo mais.

 

É como uma consciência humana que ainda é muito dominante no planeta, juntamente com a dúvida. Mas é hora de liberar tudo isso. É hora de libertarem Jesus. Como disse Tobias anos atrás: “Tirem Jesus da cruz.” Dá pra imaginarem...? [Só Linda aplaude.] Obrigado. Pelo aplauso sarcástico aqui. Tirem Jesus da cruz.

 

Imaginem se todas as igrejas do mundo que mostram Yeshua pendurado numa cruz o libertassem, o tirassem de lá. Em vez do Jesus sofredor, tivessem... bem, mostre sua blusa, por favor. [Linda mostra o suéter com a imagem de Jesus dançando em calças de ioga.] Jesus festejando! Jesus dançando! Jesus fazendo ioga. [Adamus ri. Alguém diz: “Jesus descolado!”] É, Jesus descolado. Isso.

 

Assim, se pudéssemos apenas... voltando ao assunto, se pudéssemos apenas tomar uma pílula e liberar essa dúvida... Porque eu observo vocês e vejo vocês passando por essas coisas, vejo todo esse trabalho mental. Ugh! É como se vocês tivessem essas engrenagens na cabeça. Elas estão muito enferrujadas, velhas, mas vocês ainda ficam tentando usá-las. Vou falar muito mais sobre isso no ProGnost, mês que vem, mas a mente está no fim – não só pra vocês, mas para a humanidade –, e eu digo isso literalmente. Esta é a última era da mente, e eu vou explicar bem detalhadamente até encher o saco, ficar entediante e tudo mais. Eu ouvi. Eu ouvi. [Algumas risadas] E tudo mais sobre...

 

LINDA: Nós amamos você. O que está dizendo?

 

ADAMUS: ... por que esta é a última era da mente – por mais chata que a palestra possa ser, ou não.

 

LINDA: Por que está olhando pra mim?

 

ADAMUS: Porque eu ouvi os comentários mais cedo sobre o ProGnost original ter sido meio chato, você disse. [Algumas risadas]

 

LINDA: Bom, o original foi.

 

ADAMUS: Sei, sei. Então...

 

LINDA: Me desculpe.

 

ADAMUS: ... com isso... [Mais algumas risadas]

 

LINDA: Verdade seja dita.

 

ADAMUS: Para começarmos hoje, pergunta. Vamos ter algumas perguntas hoje. Então, a pergunta... Linda com o microfone.

 

LINDA: Ah, com todo prazer.

 

ADAMUS: Eu adoro fazer perguntas porque, daí, a sabedoria de vocês se manifesta. Quando primeiro começamos a fazer isto, quando cheguei depois de Tobias, foi meio desafiador fazer as perguntas. [Linda se exalta.] Elas eram chatas. [Adamus ri e alguns da plateia também.] Eram. Eu vou ousar dizer: eram respostas sem peso. Eram respostas superficiais. Eram respostas meio que esperadas. Não tinham muita profundidade.

 

Agora nós estamos entrando nas coisas e as respostas de vocês têm muito mais profundidade e energia. Representam insights e sabedoria. Então, embora eu receasse fazer as perguntas e respostas, agora, eu realmente adoro, porque vocês estão compartilhando com todos. Com aqueles que estão aqui, aqueles que estão on-line e, mais do que tudo, aqueles que virão depois de vocês.

 

Estamos criando um registro histórico que vai da iluminação à mestria encarnada. Todos nós. Todos vocês estão criando essa história. São arquivos, não apenas com cenas, palavras e tudo mais, mas que representam um caminho energético para aqueles que virão depois, que irão ler isto dez anos à frente, vinte anos, cem anos, mil anos. Que lerão isto ou verão o vídeo e aprenderão a rir num dos tempos mais difíceis de se rir, o tempo em que vocês passam por tudo isso. Eles lerão e sentirão a sabedoria, mas, mais do que qualquer outra coisa, o que eles perceberão energeticamente é a transição pela qual vocês passaram nestes sete anos ou mais em que estamos juntos, a sabedoria que brotou. Embora algumas das respostas às perguntas, lá atrás, fossem meio banais, agora elas estão repletas de essência e sabedoria.

 

 

Pergunta 1 – O que Está Acontecendo no Planeta?

 

Então, com isso, vamos aumentar as luzes e, nossa, é bom que as respostas sejam boas hoje. [Mais risadas] Estamos gravando isso.

 

A pergunta... a primeira pergunta de várias que farei hoje... a primeira pergunta é: o que está aparecendo nas notícias neste momento? Agora, não estou falando de manchetes específicas. Em geral. O que está acontecendo no planeta? Qual...? Vejam, deixando de lado Donald Trump e as guerras nucleares, coisas triviais como essas... Qual é a essência? O que está realmente acontecendo nas notícias? E eu gostaria da verdadeira sabedoria. Não enumerem manchetes. Digam-me o que está acontecendo no planeta neste momento.

 

Linda, por favor, a primeira vítima. Digo, a primeira sabedoria. [Algumas risadas; leve pausa enquanto Linda entrega o microfone para um membro relutante da plateia.] Ah, nós podemos ler a energia aí! [Mais risadas]

 

Agora, eu não sou psíquico. Eu sou um Mestre Ascenso, no entanto. E o que li aí – e espero que peguem com a câmera –, o que li foi: “Por 15 anos, a câmera nunca me pegou. Agora, duas vezes tão perto uma da outra.” [Mais risadas]

 

SHEA [mulher]: Esse foi exatamente o meu pensamento.

 

ADAMUS: Exatamente o seu pensamento. Sim.

 

SHEA: Foi. Tenho que me levantar?

 

ADAMUS: Por favor. Não, não é preciso, mas preferimos. Sim, você pode fazer o que quiser.

 

SHEA: Obrigada. [Ela se levanta.]

 

ADAMUS: Sim. O que está nas notícias? O que está acontecendo no planeta neste momento? Se você fosse falar para um grupo de estudantes do ensino médio e eles não fizessem ideia, você diria: “Isso é o que está acontecendo no planeta.” O que você diria?

 

SHEA: Tanta coisa. Está afetando o meu corpo prestar atenção no mundo todo.

 

ADAMUS: Sim.

 

SHEA: Temos Jerusalém, com a qual Tobias ficou extasiado.

 

ADAMUS: Na verdade, não, mas continue.

 

SHEA: Eu sentia que havia uma empolgação lá.

 

ADAMUS: Sei.

 

SHEA: Falei com algumas pessoas...

 

ADAMUS: Pra quem é judeu vivendo em Israel.

 

SHEA: Sim.

 

ADAMUS: Sim, sim. Sim, sim.

 

SHEA: Mas também falei...

 

ADAMUS: Você percebe o que está realmente acontecendo com tudo aquilo lá?

 

SHEA: Ha-ham.

 

ADAMUS: Sim, sim.

 

SHEA: Mas falei com algumas pessoas que não sabem qual é o problema, e elas sentem...

 

ADAMUS: Então, o que está acontecendo? O que está acontecendo? Qual é a sua opinião? Você olha para o mundo e diz: “Ah, minha nossa. Essa é a direção que estamos tomando. Isso é o que está acontecendo.”

 

SHEA: Tudo.

 

ADAMUS: Tudo. Seja específica, dizendo uma coisa.

 

SHEA: Feridas curadas, sexualmente.

 

ADAMUS: Sei, é isso aí.

 

SHEA: Confusão total do masculino. Total.

 

ADAMUS: Sei.

 

SHEA: Eles nem sequer sabem...

 

ADAMUS: Homens, vocês concordam com isso, na plateia? [Um homem diz: “Sim, no geral.”]

 

SHEA: Sim, não.

 

ADAMUS: No geral. Sim, sim.

 

SHEA: No geral.

 

ADAMUS: Tudo bem.

 

SHEA: Está realmente afetando a mente.

 

ADAMUS: Sim, tudo bem.

 

SHEA: Uma confusão total.

 

ADAMUS: Uma confusão total. Sim. Vou chamar a isso de perda da identidade por parte dos indivíduos e dos grupos.

 

SHEA: Isso.

 

ADAMUS: E o que acontece quando alguém começa a perder a identidade?

 

SHEA: Ohh...

 

ADAMUS: Tentam voltar e reivindicar o que tinha. É mais seguro do que partir para algo novo.

 

SHEA: Certo.

 

ADAMUS: Então, isso está acontecendo muito com a energia masculina/feminina, demais, e os homens estão literalmente levando um pé...

 

LINDA: A-ham!!

 

SHEA: É verdade.

 

ADAMUS: ... na bunda. [Algumas risadas]

 

SHEA: É verdade.

 

ADAMUS: Na bunda. Na bunda, neste momento.

 

SHEA: Mas eles também estão muito confusos com isso.

 

ADAMUS: Ah, certamente. É isso que está dando um pé na bunda deles. Eles não estão acostumados a essa confusão.

 

SHEA: Isso.

 

ADAMUS: Estão acostumados ao jeito deles de fazer as coisas.

 

SHEA: Certo.

 

ADAMUS: E não está funcionando mais. Eles se sentem...

 

SHEA: Não.

 

ADAMUS: ... como vocês dizem? Afeminados?

 

SHEA: Isso.

 

ADAMUS: Homens? [Nenhuma resposta da plateia.] Eh, sim, sim. Certo. Sim, sim. Não os homens Shaumbra! Nossa! Estou falando de outros homens. Então, afeminados: “Qual é o meu papel? O que eu tenho que fazer?”

 

SHEA: Eles estão confusos.

 

ADAMUS: Eles estão muito confusos. E, então, o que acontece?

 

SHEA: Ah, eles começam a atacar as mulheres, agora.

 

ADAMUS: Eles atacam há muito tempo, mas...

 

SHEA: Não. É de uma forma diferente agora. É como se estivessem com muito medo do que fazer.

 

ADAMUS: Sim. Vou lhe dar uma pequena dica quanto a isso. As mulheres são muito psíquicas e sabem como usar as energias psíquicas, muitas vezes vinculadas à energia sexual, mas elas sabem usar a energia psíquica. Os homens realmente não sabem. Digo, os homens não Shaumbra não sabem. [Algumas risadas] Eles não sabem como fazer uma exploração psíquica. Não sabem como sentir, de maneira psíquica, o que está acontecendo. Eles fecharam alguns circuitos emocionais, então, agora, estão ficando totalmente perdidos. Se recuperassem essa condição psíquica interior, que, na verdade, capta... vamos falar sobre isso depois... mas que capta as coisas. Mas eles arrancaram a antena deles, por assim dizer. [Linda dá uma risadinha.] A antena psíquica, lá atrás. Estão muito perdidos. Ótimo.

 

SHEA: É.

 

ADAMUS: Obrigado. Obrigado pela sua sabedoria. Mais duas pessoas. O que está acontecendo nas notícias? Olá, esplêndida.

 

ELIZABETH: Como vai você?

 

ADAMUS: Vou muito bem...

 

ELIZABETH: Feliz Natal. [Ela ri.]

 

ADAMUS: ... como sempre. Sim.

 

ELIZABETH: O que eu senti, antes de você começar a falar, foi o que você disse sobre grupos que estão andando para trás, se agarrando à vida querida do passado.

 

ADAMUS: Sei.

 

ELIZABETH: E os grupos que querem seguir para o futuro. E há essa coisa de “puxa-empurra” que é muito óbvia, e não só na nossa sociedade, mas no mundo todo, se realmente acompanharmos o que está acontecendo.

 

ADAMUS: A evolução pode ser revertida ou desacelerada? Tem toda essa evolução acontecendo, não apenas uma evolução biológica, mas uma evolução na rede completa – digo, vida – acontecendo. Dá pra desacelerá-la? Em outras palavras, essas pessoas que estão voltando para as raízes, as que dizem que os computadores são horríveis, que não gostam de tecnologia, que pensam que nós somos uns sem-vergonha aos olhos de Deus... Podemos retroceder ou desacelerar a evolução?

 

ELIZABETH: Veja, eu não acho isso. Não acho que haja uma desaceleração de modo geral. Eu sei individualmente. Onde está a sua consciência? É assim que se vive.

 

ADAMUS: Certo, mas e quanto ao planeta?

 

ELIZABETH: Ou, então, se fica no passado...

 

ADAMUS: E quanto ao planeta?

 

ELIZABETH: Não sinto isso.

 

ADAMUS: Certo.

 

ELIZABETH: Que possa ser desacelerado. É só uma condição de ser que evolui entre as pessoas, e...

 

ADAMUS: O que acontece aos grupos e aos indivíduos dentro dos grupos que verdadeiramente estão tentando permanecer em suas raízes? E não estou falando apenas, veja bem, de se livrar de todos os bens materiais e viver isolado no Walden Pond. (N. da T.: Walden Pond é um grande lago em Massachusetts, onde há uma reserva ambiental.) Mas de tentar realmente voltar para as raízes do país, as raízes culturais, as raízes familiares e todo o resto. O que acontece a eles enquanto a evolução continua seguindo em frente numa velocidade cada vez maior? O que acontece a essas pessoas?

 

ELIZABETH: Bem, espero que elas... que algumas delas se tornem mais abertas.

 

ADAMUS: Sei.

 

ELIZABETH: E outras podem entrar em colapso. [Ela ri.] Porque a coisa é o que é. E não sei se você está falando da consciência em geral, uma consciência coletiva, ou uma consciência individual. Eu acho que essa é a diferença. Mas, individualmente, há escolhas nesta vida e escolhemos de que modo vamos nos mexer.

 

ADAMUS: A maioria das pessoas não faz ideia do que é escolha. É sério. É sério. Agora, vou dizer uma coisa hoje sobre escolha – e falar mais sobre isso nos próximos shouds – que pode parecer uma contradição: mas a maioria das pessoas realmente não entende o que é escolha. A escolha delas se limita à cor das meias na gaveta de meias. E só, realmente. Ou o que vão jantar. Elas não entendem as escolhas da vida, as escolhas da alma, escolhas como ir além. Nem querem entender. Então, vou dizer que... Prossiga.

 

ELIZABETH: Sim, estou me perguntando se a sua visão, em alguns casos, é que elas estejam de certo modo hipnotizadas – certo? – numa posição onde podem ficar por muito tempo. Digo, esse é um outro caminho a se seguir.

 

ADAMUS: Sim.

 

ELIZABETH: Simplesmente ficar aí e não buscar.

 

ADAMUS: Mas isso nos leva ao que Shea disse antes. Existem muitas pessoas perdidas no planeta. Agora, elas não estão sendo entrevistadas nas notícias. “Por que vocês estão perdidos?” Mas percebam que há um sentimento global de desorientação.

 

ELIZABETH: É.

 

ADAMUS: É. E vou dar outra pistazinha do que devo falar no ProGnost. Nós falamos sobre a Nova Terra antes, dizendo que a Nova Terra e a Velha Terra não vão se juntar. Há um enorme abismo entre os que estão conscientes, os que sabem o que é escolha, os que estão permitindo a integração do Mestre e do humano, os muitos que entendem isto – que  foi criada uma Nova Terra... que não é o que considerariam como sendo o Nirvana, mas é um lugar pra se ir e estar na expressão criativa da sua alma, com muitos atributos humanos, mas sem se restringir a esses atributos humanos.

 

Depois, vocês têm todo um grupo no planeta, aqui, que ainda está passando por seus processos, por sua evolução do Eu, mas que não é congruente com esses outros que estão realmente permitindo sua verdadeira consciência. Então, vocês têm muitos que ainda estão passando por suas experiências humanas, existência após existência.

 

Depois, vocês têm um grupo do qual ainda não falei, que está se prendendo demais ao velho, ao passado, especialmente à velha energia masculina, e aí se incluem muitas mulheres. Muitas mulheres que não querem a responsabilidade de estar lado a lado com Adão, muitas que, de fato, ainda estão usando avental e fazendo sempre o jantar, e esse tipo de coisa.

 

Isso está, de fato, neste momento, criando o que vou chamar de Subterra, que certamente não é a Nova Terra, e que não é realmente esta Terra clássica, esta Terra física. Está criando toda uma nova realidade/dimensão onde estão esses que estão se prendendo ao passado e que não vão deixá-lo ir e que não querem deixá-lo ir, e querem continuar acreditando num Deus que julga e é zangado, que exige veneração e tudo mais. Esses vão pra lá e não estarão neste planeta físico, mas vai parecer que estão. Lá vai ter mais gravidade do que tem neste planeta físico, gravidade psíquica e literal. Terá mais regras, mais retidão e mais rigor. Seria como ir de uma faculdade de artes liberais para uma faculdade altamente religiosa, em que se tem que ir à igreja todos os dias, e é isso que eles querem. Ninguém os está forçando a ir pra lá depois que voltarem na próxima existência. Eles querem isso, que eles chama de simplicidade. Querem essa subserviência a Deus. Querem acreditar num poder superior, e masculino, por sinal. E não querem entender que vocês são Deus também. E tudo bem. Não vamos tentar mudar a mente deles, e nem eles nos escutariam. Vão nos chamar de Satã. Não vamos tentar fazer nada além de honrá-los integralmente pelo novo palco, no novo teatro da Subterra, que é onde eles vão atuar. Só isso. Só isso.

 

Assim, muita coisa está acontecendo no planeta neste momento. Bem, obrigado [falando com Elizabeth]. Acabei falando demais. Não é de admirar que haja tanta sabedoria aí. [Risadas] Próximo, por favor.

 

LINDA: Próximo.

 

ADAMUS: Próximo, por favor. O que está nas notícias? O que está na visão geral das notícias?

 

SCOTT: Ah, eu vejo, especialmente... bem... a [revista] Time acabou de falar sobre isso, com The Silence Breakers (Os Quebradores do Silêncio). Pessoas que energeticamente disseram: “Basta. Estou pronto pra contar minha história.”

 

ADAMUS: A coisa está vindo à tona.

 

SCOTT: E está vindo à tona.

 

ADAMUS: É.

 

SCOTT: E isso estava enterrado há muito tempo pra muitas dessas pessoas.

 

ADAMUS: Ha-ham.

 

SCOTT: Digo, há 20 anos ou mais, talvez, para algumas dessas pessoas.

 

ADAMUS: Há existências.

 

SCOTT: É, há existências.

 

ADAMUS: Existências de abuso.

 

SCOTT: Sim, é. Elas simplesmente estão dizendo...

 

ADAMUS: Então, isso tudo está se soltando neste momento, e é muito interessante de ver lá do Pico dos Anjos (N. da T.: É um pico mesmo no Novo México.) Vejam, afastem-se, saiam do caminho. É muito interessante de se ver. The Silence Breakers, adoro esse termo. Essas pessoas estão se mostrando quase por causa da vergonha e das pessoas que ficam ridicularizando-as, criticando-as e tudo mais. Mas isso está mexendo com tudo neste momento. E mexer com tudo... Quando as coisas começam a ser mexidas é sempre divertido. É assim: “Vamos realmente sacudir isso.” Mas depois tudo começa a vir à tona também. E a coisa fica feia, como os suéteres [de Natal] de vocês.

 

SCOTT: Acho que é por isso que os homens estão assustados, se perguntando: “O que mais vai acontecer?”

 

ADAMUS: Exatamente! Exatamente. Então, o que você acha de todo o papel do masculino no planeta? O que está acontecendo com ele?

 

SCOTT: Bem, eles vão passar por um processo em que precisam evoluir. Digo, é deixar isso preso e não resolver a coisa ou fazer assim: “Eu tenho que acordar e resolver isso.”

 

ADAMUS: Ou criar algo como essa Subterra que...

 

SCOTT: Sim, ou fazer isso.

 

ADAMUS: ... ou um Outro Mundo, talvez queiram chamar assim, porque é tipo: “Não, nós vamos continuar dando suporte ao homem.”

 

SCOTT: Certo, certo.

 

ADAMUS: É. Isso.

 

SCOTT: Ou eles vão empunhar suas armas ou vão simplesmente dizer: “Hum, talvez eu deva me iluminar um pouco.”

 

ADAMUS: Isso, exatamente. Então, que conselho você daria ao homem típico que está no planeta neste momento? Típico, no sentido daqueles que certamente não participam dos nossos encontros. Aos homens comuns que andam pelas ruas. Que conselho você daria a eles?

 

SCOTT: Que comecem a prestar atenção, a ter consciência de como realmente estão se sentindo e a ver o que está se desenvolvendo aí fora no mundo. Nem tanto talvez nas manchetes, mas no sentimento com relação a isso tudo, no motivo pelo qual essas mulheres se sentem dessa forma.

 

ADAMUS: Certo.

 

SCOTT: E quem eles consideram homens que estão mudando, seja nos negócios ou na vida pessoal, e coisas desse tipo. E que vejam o caminho que querem seguir, porque essas coisas, como você disse, vão acabar de um jeito ou de outro.

 

ADAMUS: Ha-ham. É. E eu sinto que há muita contradição no que é dito. Muitos homens dizem: “É hora de as mulheres terem mais espaço nos negócios ou nas religiões.” É hora de haver mulheres sacerdotes na Igreja Católica, em vez de colocá-las numa posição inferior. Eles dizem isso por um lado, mas por outro, em situações pessoais, no trabalho ou nos negócios deles, ainda estão tendo dificuldade com isso: “Uma mulher ganhando o mesmo salário? Ou sendo minha chefe?” Isso está mudando aos poucos, mas eles estão perdidos. Estão realmente perdidos. Ótimo. Obrigado.

 

Sim, mais um aqui. O que está nas notícias neste momento? O que está realmente acontecendo?

 

HOMEM SHAUMBRA: Apesar de tudo, estou vendo atos profundos de amor e gentileza.

 

ADAMUS: Sim. Ah, tremendos.

 

HOMEM SHAUMBRA: É.

 

ADAMUS: Sim. E, de fato, são muitos os atos de amor e gentileza para com o planeta no meio dessa confusão total e desorientação. Às vezes, o melhor das pessoas se manifesta em tempo de crise, infelizmente. Infelizmente.

 

HOMEM SHAUMBRA: Ha-ham.

 

ADAMUS: Elas estão tão acostumadas às crises que elas ficam no seu melhor e, às vezes, elas chegam a desencadear as crises...

 

HOMEM SHAUMBRA: Para demonstrarem amor.

 

ADAMUS: ... pra que possam ser heróis.

 

HOMEM SHAUMBRA: É.

 

ADAMUS: Pra que possam ser heróis. Sim, sim. Mas é uma boa observação.

 

Neste momento no planeta, agora mesmo, há uma mudança sem precedentes. Entretanto, tenho que ressaltar que também há, ao menos nesta era da humanidade, pós-Atlântida, que há provavelmente mais prosperidade e abundância, e menos guerras acontecendo. Há mais atos de gentileza, mais pessoas contribuindo com dinheiro. Há mais pessoas que estão agora tendo acesso a água limpa e a comida saudável ao redor do planeta. Então, de certa forma, este, de fato, é um dos melhores tempos. Não existem muitas guerras grandes no momento. Existem guerras tribais e velhas guerras, mas não muitas guerras grandes.

 

Mas é também um tempo em que tudo está mudando muito rapidamente e as pessoas estão desorientadas. As pessoas estão totalmente perdidas. E vou generalizar por causa do tempo aqui. Mas, quando as pessoas ficam perdidas, é uma coisa emocional/mental. Elas realmente não estão perdidas, mas as velhas maneiras com que elas fazem as coisas e reagem às pessoas e às situações estão tendo que mudar muito rapidamente. Elas não saber o que fazer, particularmente os homens não sabem o que fazer, porque eles não permitem esse lado psíquico, que eu chamaria quase de um aspecto feminino, em suas vidas. Esse aspecto psíquico que as mulheres têm, que está dentro de todos vocês como energia feminina, pode, de fato se projetar e começar a captar as coisas, a sentir as coisas, a buscar outros potenciais e probabilidades. Os homens não fazem muito isso. É por isso que as mulheres podem ser multitarefas, querida Linda, enquanto que os homens são muito singulares, Cauldre. [Algumas risadas] Então. Porque as mulheres emanam muita energia psíquica.

 

Agora, os homens olham isso e dizem: “É muito confuso.” Porque vocês [mulheres] estão tendo uma conversa sobre alguma coisa e no momento seguinte mudam de conversa. Como é que os homens vão saber que vocês mudaram de assunto se não disserem a eles? [Algumas risadas] E as mulheres ficam assim: “Bem, vocês têm que ser mais psíquicos pra captarem essas coisas.” [Mais risadas]

 

Mas o mundo está chegando nesse ponto, neste momento, em que está muito perdido. E o que as pessoas tendem a fazer, neste momento, mais do que qualquer outra coisa, nessa desorientação? Mais os homens do que as mulheres, porque as mulheres estão acostumadas ao seu eu psíquico e emocional e elas falam bastante entre si; os homens não fazem isso. Então, o que eles fazem? Tomam esses medicamentos, esses ISRSs, ansiolíticos, antidepressivos e tudo mais, porque não sabem o que fazer. Estão perdidinhos da silva. E o engraçado com esses medicamentos é que deixam eles ainda mais perdidos. É pra isso que eles servem, pra tirar vocês do contato consigo mesmos. E é por isso que muitos homens, homens brancos, cometendo essas atrocidades, assassinatos em massa, tipo terrorismo, porque estão muito perdidos.

 

Se rastreassem o histórico, se descobrissem todos os registros policiais e hospitalares sobre esses assassinos em massa – e estou falando particularmente nos Estados Unidos –, descobririam que eles estão tomando ou tomaram recentemente esses medicamentos, porque estão perdidos. O mundo está passando por uma tremenda mudança, tão rapidamente agora que é difícil pra muitos.

 

O mundo está passando por mudanças num nível emocional, assim como vocês vivenciaram no passado. Os padrões de evolução estão mudando mais rápido do que nunca. Vocês veem naqueles gráficos. A evolução nos últimos, digamos, 5.000 anos. [Ele gesticula fazendo uma linha quase horizontal.] Depois, quando chegamos cerca de 50 anos atrás, fica assim. [Continua gesticulando, fazendo uma curva acentuada e subindo, agora, quase na vertical.] Está subindo tão rapidamente que vai acabar fazendo um looping em si mesmo. [Ele gesticula como se voltasse a cair na linha horizontal.] Digo, como um avião que faz um looping no céu e está muito rápido. E quero dizer isso quase que literalmente. Vai andar tão rápido que tudo vai emborcar em si mesmo.

 

 

Por que Vocês Estão Aqui

 

Agora, eu levanto esta questão por uma importante razão, porque eu gostaria de lembrar a vocês por que vocês estão aqui agora. Vocês escolheram este momento. Vocês escolheram vir, a maioria de vocês após a Segunda Guerra Mundial, sabendo que este era o momento, que eu chamo de Era das Máquinas. Um momento de grandes mudanças no planeta e grandes separações no planeta. Separações para a Nova Terra, separações para a Subterra ou Terra Inferior, como queiram chamar. Um tempo de separação das coisas, em vez de reunião, mas que na verdade está criando o que chamariam de playgrounds mais especializados, em vez de um playground gigantesco para toda a massa.

 

As pessoas estão ficando mais especializadas: “Quero atuar na Nova Terra onde tenho muito mais liberdade criativa.” Outras estão dizendo: “Não gosto de nenhum desses jogos. Vou voltar para o básico, para as raízes.” E estas vão para a Subterra. E não me refiro a ela como o inferno ou o subterrâneo. É um tipo diferente de Terra, onde essas pessoas vão reencarnar na próxima existência, pensando que é este planeta aqui. O lugar terá todos os mesmo atributos, mas será mais velho. Digo, não será moderno nem contemporâneo. Seria quase como reencarnar num tempo passado, de certo modo, mas elas vão reencarnar nesse lugar que eu chamo de Subterra.

 

Então, tudo isso está acontecendo e eu quero que vocês sintam um instante – porque, às vezes, vocês se esquecem, vocês também ficam perdidos – o motivo pelo qual escolheram estar aqui agora. Por que vocês escolheram estar neste planeta, quer estejam com 30, 40, 50, 60 anos ou qualquer outra idade? Por que escolheram estar aqui numa das épocas mais loucas, num dos tempos mais desafiadores.

 

Eu gostaria que sentissem isso. Não precisa de música aqui; basta realmente sentirem isso por um instante. Vocês escolheram isso.

 

[Pausa]

 

Não é um erro esta vida. Eu sei que muitos de vocês se perguntam: “Por que não fiz mais coisa nesta existência?” Ou: “Por que não realizei mais coisas? Por que não escrevi livros best-sellers nem montei um grande negócio?” Vocês não vieram aqui pra isso. Digo, vocês também fazer isso se quiserem, mas a maioria escolheu não fazer isso. Vocês vieram pra cá nesta existência por uma coisa: é a última existência de vocês na Terra, nesta Terra, e vocês vieram pra cá pra encarnar o Espírito, o Mestre. Vocês vieram pra cá pra reunir o humano e o Mestre nesta existência.

 

Tem sido uma jornada e tanto, uma jornada solitária e difícil, por causa das dúvidas, porque, de vez em quando, vocês perdem aquela bússola interior, aquele saber interior de por que escolher estar aqui. Vocês não vieram pra tentar salvar o planeta. Isso não funciona. Mas, vejam, por causa do que vocês estão fazendo dentro de si, assumindo coisas que nem sequer são suas... vocês sabem o que estão fazendo por estarem aqui, por serem uma presença. Sem dar palestras, sem fazer sermões, sem pregar, mas sendo uma presença neste planeta, permanecendo no corpo e, na verdade, mudando totalmente a dinâmica do corpo, do DNA.

 

O DNA é essa coisa incrível, dificilmente entendida, que talvez vocês chamem de filamento de luz, um fio espiritual, e que nós, às vezes, chamamos de filamento angélico. É a força que dá a vida e que está por trás de tudo. É a programação. É o software da vida. Mas mesmo isso está mudando agora.

 

Vocês estão mudando seu corpo, e eu rio sozinho quando ouço os Shaumbra: “Ah, meu corpo. As dores que eu sinto.” E eu fico: “Respire. Aceite, porque você pediu por isso. Não resista.” E eu sei que soa o oposto do que vocês acham que deveria ser – fuja disso, encham-se de suplementos, óleos sagrados e tudo mais. Não. Vocês estão passando por uma mudança fenomenal. Conseguem se deixar vivenciar isso?

 

Então, lembrem-se um instante do motivo pelo qual estão aqui, de por que nesta determinada época. Eu já disse a todos vocês que vocês podiam ter permitido a sua iluminação na existência anterior, ou duas existências atrás. Vocês, provavelmente, morreriam de cara e voltariam pro outro lado. Mas vocês disseram: “Não, vou voltar nesta época, e vou passar por essa mudança no corpo.”

 

Como eu disse ao grupo na Austrália, é como se vocês fossem um avião a jato, voando a 800 quilômetros por hora e decidissem se restaurar por completo, colocando motores totalmente novos que não consomem um produto à base de petróleo. Agora é um tipo de motor da Nova Energia. Vocês vão refazer totalmente a estrutura da aeronave e tudo mais enquanto estão voando. É o que vocês estão fazendo. Vocês estão fazendo isso voando, e é realmente incrível. Uma loucura dos diabos. Uma loucura. Vocês podiam ter deixado outros fazerem isso primeiro, mas vocês fizeram. [Algumas risadas] Vocês disseram: “Não, sou eu que vou fazer isso.” Mas, então, de vez em quando... bem, de vez em quando... toda noite, eu ouço a maioria de vocês: “Oh! O que está acontecendo, Adamus?” E eu: “Você está se iluminando.” E é assim: “Eu pensei que fosse ser divertido.” E eu: “Quem disso isso pra você?!” [Risadas] Eu nunca disse isso. Tobias nunca disse isso. Ele morreu na prisão quando se iluminou. Quero dizer, a iluminação não é uma coisa bonita. Realmente não é. O resultado final é fenomenal, mas o processo da iluminação? Pfft! Vejam, é terrível, uma desgraça.

 

Assim, vamos respirar bem fundo com isso. [Adamus ri.] É.

 

SART: Yeee!

 

 

Pergunta 2 – O que Está Acontecendo com Vocês?

 

ADAMUS: Próxima pergunta. O que está acontecendo com vocês neste momento? Falamos sobre o que está acontecendo no mundo. O que vocês estão vivenciando? Quero saber nos últimos dois ou três meses, e sejam sucintos. Não quero ouvir um monte de histórias velhas. Sejam sucintos. O que está acontecendo com você, Patrick?

 

PATRICK: Não sei.

 

ADAMUS: Ah, espere aí.

 

PATRICK: Não! Não, não, não, não! Não, não! [A plateia faz “ohhh!”.] Eu retiro o que eu disse.

 

ADAMUS: Tudo bem. [Algumas risadas]

 

PATRICK: Ah, não, não. Não, não.

 

ADAMUS: O banheiro das mulheres é virando ali...

 

PATRICK: O que está acontecendo comigo nos últimos dois ou três meses – e seria interessante se outros Shaumbra também estivessem sentindo isso – se resume numa única frase: tédio e falta de paixão do humano.

 

ADAMUS: Ah, ótimo, ótimo. Ah, então, você está bem onde deveria estar.

 

PATRICK: Bom, isso é óbvio. [Ele ri.]

 

ADAMUS: É, é. Sim, tédio e falta de paixão. E não dá pra fingir isso. Não dá pra fingir a paixão.

 

PATRICK: Digo, eu tenho... Eu peço... Eu estou permitindo a paixão do meu Eu sou, mas não consigo forçá-la.

 

ADAMUS: Não, não consegue.

 

PATRICK: Então, eu sinto que, em alguns momentos, eu a tenho, mas não é nada consistente.

 

ADAMUS: Ah, essa eu acho que é a pior parte da iluminação: você perde a paixão. Não tem nada lá e é absolutamente apropriado, porque essas paixões são velhas. Elas se baseavam no humano. E, então, você tenta ressuscitá-las e trazê-las de volta, e é como: “Quem você está querendo enganar?”

 

PATRICK: Exatamente.

 

ADAMUS: E você mergulha nesse poço, nesse desespero e fica: “Ugh! Por que estou aqui no planeta?” E fica entediado sem porcaria nenhuma e depois tenta ocupar o tempo e tudo mais.

 

PATRICK: E eu tenho muito tempo.

 

ADAMUS: Você tem muito tempo.

 

PATRICK: Eu tenho uma abundância de tempo! [Patrick ri.]

 

ADAMUS: É. E, não, você está, de fato, onde deveria estar, porque você está fazendo a transição, evoluindo ou como queira chamar. Bem, vou falar sobre isso daqui a pouco. Então...

 

PATRICK: Não acho que eu seja o único tendo esta experiência.

 

ADAMUS: Mais alguém está entediado e sem paixão? [Algumas mãos levantam e Patrick ri.] Alguém vai escrever livros sobre isso? É: “Tédio sem Paixão.”

 

Sim? O que está acontecendo com você neste momento da sua vida?

 

MEREDITH: Eu diria: “Idem.”

 

ADAMUS: Idem.

 

MEREDITH: Sim.

 

ADAMUS: É.

 

MEREDITH: Mas talvez há mais tempo, pois já passei da fase do desespero. Mas eu ainda... tenho abundância de tempo.

 

ADAMUS: [rindo] Uma abundância de tempo!

 

MEREDITH: E estou aberta, então...

 

ADAMUS: Sim. E desafios mentais no momento? Você fala muito consigo mesma?

 

MEREDITH: Falo, sim, tentando viver a partir do coração e não do cérebro.

 

ADAMUS: Sei. E como está se saindo?

 

MEREDITH: É um desafio.

 

ADAMUS: É. É.

 

MEREDITH: É um desafio. Mas sou nova nisso...

 

ADAMUS: Ah, você é.

 

MEREDITH: ... nessa jornada, é.

 

ADAMUS: Ah, não, você não é. Ah, não, você não é! [Risadas] Sim.

 

MEREDITH: Então.

 

ADAMUS: Por falar em “idem”, é assim que deveriam chamar vocês que retornam pra outra existência, de “Idem”. [Mais risadas] É a mesma velha coisa, fazendo tudo de novo. Mas você não é [nova]. É esta. A última existência.

 

Certo, o que mais? Mais duas pessoas. O que mais está acontecendo na vida de vocês?

 

SUSAN: Muitas coisas.

 

ADAMUS: É?

 

SUSAN: Ah, sim.

 

ADAMUS: Mas quais se destacam?

 

SUSAN: As que se destacam... bem, eu passei por um longo período de depressão.

 

ADAMUS: Uh-huh. Que ótimo. [Ela ri.] É.

 

SUSAN: E meu corpo dói aqui e ali.

 

ADAMUS: Sei.

 

SUSAN: Também sinto que as coisas estão se integrando. Tenho um sentido de união.

 

ADAMUS: Sei. Ah, não é estranho? Sim, sim. As coisas desmoronando e um sentido de união.

 

SUSAN: Adoro isso.

 

ADAMUS: Sim, sim.

 

SUSAN: As coisas estão começando a se integrar pra mim.

 

ADAMUS: Sei. Ótimo.

 

SUSAN: E estou sentindo o meu coração, e Eu Sou, Aqui.

 

ADAMUS: Vou dar a vocês todos um conselho paternal de Mestre Ascenso. Não tentem forçar nada disso. Não tentem forçar felicidade. Não tentem forçar nada neste momento. Vou explicar daqui a pouco, mas não forcem.

 

SUSAN: Certo.

 

ADAMUS: Vocês estão passando por uma coisa. Vocês estão fazendo uma transição, vejam bem. Vocês estão dirigindo o carro de vocês numa estrada livre, num lindo dia.

 

SUSAN: Ha-ham.

 

ADAMUS: De repente, vocês entram num túnel construído numa montanha. Está escuro e vocês não conseguem ver nem saber onde estão. É estranho e claustrofóbico. Então, vocês chegam do outro lado da montanha. É a mesma coisa. Vocês passam por tudo isso e... [Alguma coisa faz um barulho.] De repente, fica escuro e tudo desmorona. [Ele olha para a Linda.]

 

LINDA: Não caiu nada aqui.

 

ADAMUS: E vocês se preocupam e tentam se medicar ou meditar. Vocês tentam tomar alguma coisa, seja álcool, drogas, outras coisas, suplementos ou suor sagrado. Esqueçam isso. Ou tentam se medicar ou meditar como uma forma de passar por isso. Não façam isso.

 

O que fazer? Permitir. Permitir. Por mais estranho que pareça, vocês estão vivenciando agora a maior experiência de qualquer existência. Vocês estão passando pela iluminação no corpo e alguns dias vão ser realmente uma porcaria. Digo, vai ter dia que vocês vão querer vomitar na espiritualidade porque é muito difícil. [Algumas risadas] E vai ter dia também que vocês vão se sentir: “Ah, sim, está tudo se integrando.” Isso é totalmente apropriado. Não tem nada errado com vocês. Não tem nada errado quando o corpo dói.

 

Eu adoraria mostrar pra vocês o que está acontecendo no nível celular, no seu DNA, dentro de vocês. Vocês estão trazendo um corpo de luz totalmente diferente – não gosto do termo corpo de luz, porque todo mundo acha que é uma coisa diáfana, resplandecente, e não é. Vocês estão trazendo um verdadeiro corpo energético que é relativamente independente. E vocês não vão ter mais que se alimentar da energia dos outros nem com comida nem nada disso. Um verdadeiro corpo energético. É um corpo não parasita. E todo corpo físico, todo corpo humano é parasitário. Primeiro, vocês têm parasitas nas suas entranhas agora mesmo. Eles estão lá. Escutem. [Risadas] “Erggh! Me tire daqui!” [Adamus fala numa voz esganiçada; mais risadas] E o seu corpo físico é um parasita. Ele precisa se alimentar de energia, quer seja de outras pessoas, ou da comida, ou do que for. Vocês são viciados. O verdadeiro corpo energético que está se manifestando não precisa disso. Eu não quero dizer 100%, mas é independente, na maior parte.

 

Então, vocês estão passando por isso em pleno voo. Vocês estão se remodelando. Teria sido mais fácil ter morrido e começado do zero. Mas vocês são teimosos. Vocês insistiram: “Não, nós vamos ficar. Vamos fazer isso bem aqui, enquanto estivermos vivendo.” Então, respirem fundo. Vocês estão bem onde deveriam estar.

 

SUSAN: Obrigada.

 

ADAMUS: Sim. E mais uma pessoa, rapidinho. O que está acontecendo com você neste momento?

 

SHERRY: Sinto como se eu estivesse numa montanha russa de enlouquecer.

 

ADAMUS: Sei.

 

SHERRY: Certo.

 

ADAMUS: Neste momento, hoje, você está no topo ou no fundo? Ou está descendo ladeira abaixo, gritando?

 

SHERRY: Não, eu me sinto bem hoje. Estou com os Shaumbra, ora.

 

ADAMUS: Sei.

 

SHERRY: Estou feliz hoje. Hoje, aqui, eu sou a pessoa que eu prefiro ser. O Mestre está aqui.

 

ADAMUS: Sei.

 

SHERRY: Mas muitas... é que as coisas são bem mais intensas quando é apenas o humano.

 

ADAMUS: Sim.

 

SHERRY: E esses medos – insegurança financeira, tudo bem, porque não trabalho há uns dois anos e...

 

ADAMUS: Ah, não!

 

SHERRY: ... é isso... [Algumas risadas] É. Vou perder...

 

ADAMUS: Pensei que você tinha que trabalhar?! [Mais risadas, com a voz e a expressão de falsa surpresa.] Ter um bom emprego, trabalhar duro.

 

SHERRY: Bem, estou perdendo o controle que eu acho que eu tenho. Veja, é muito intenso, Adamus.

 

ADAMUS: Sim. É muito intenso.

 

SHERRY: Quando se trata disso, é como...

 

ADAMUS: É bastante intenso. É...

 

SHERRY: É quando o corpo começa a tremer, veja bem. E é assim: “Ah, minha nossa! Isso não tem graça!”

 

ADAMUS: Sei, sei.

 

SHERRY: Veja, e em outros dias...

 

ADAMUS: Não, é assim, de certa forma, de um jeito estranho.

 

SHERRY: É. E em outros dias, veja bem, quando eu sou o Mestre, eu adoro a vida. Eu confio que tudo virá até mim. Ahmyo, aqui estamos nós! [Adamus ri.] E, então, é assim. São os extremos.

 

ADAMUS: É. Eu chamo esses dias de “em fase” e “fora de fase” [termos da física].

 

SHERRY: Que época!

 

ADAMUS: Em alguns dias, vocês estão em fase com o Mestre, com o humano e o Mestre. E o Mestre... Eu sei que isto soa meio insensível, mas o Mestre não dá a mínima, porque o Mestre não precisa de energia. O Mestre não precisa viver numa forma humana pra existir. O Mestre não precisa de um emprego. O Mestre olha pra isso e diz: “Ah, quando é que o humano vai parar de trabalhar tão duro e simplesmente permitir?” Então, o Mestre é meio indiferente. O Mestre não está vindo salvar sua vida, arranjar um emprego pra vocês, uma casa nova, uma alma gêmea, um companheiro nem nada disso. O Mestre diz: “Ei, humano, você simplesmente permite, porque vai acontecer de qualquer forma.” É.

 

O Mestre ri muito. Não sei se vocês ouvem aquela risadinha lá no fundo quando a vida está uma merda. [Sherry ri.] Não sou eu. [Risadas da plateia] Não sou eu, eu garanto. Eu saio e rio noutro lugar, mas o Mestre diz: “Você está tornando isso muito difícil.” É. Sim. Certo. Ótimo. Obrigado.

 

 

Vocês Estão Mudando

 

Então, o que está acontecendo com os Shaumbra neste momento? Vou resumir, assim como resumi as notícias. Vocês estão em transição. Vocês estão numa enorme transição neste momento, numa grande evolução do Eu. Remodelando o corpo, começando, de fato, num nível sub-DNA, num... o que eu quero dizer é que não é nem mesmo num nível atômico ou num nível com base de carbono. Está tudo mudando.

 

Agora, vocês ainda se olham no espelho e dizem: “Bem, ainda vejo este rosto e ele está ficando um pouco mais velho a cada dia.” Vai ficar, um pouco, por causa da tremenda energia que o corpo humano está consumindo neste momento. Observem também seu apetite. O corpo está consumindo uma tremenda energia e está passando por uma mudança que, na verdade, realmente não precisa de qualquer energia. Mas o humano fica tão preocupado com isso e hesitante quanto à velha evolução biológica, ao ciclo de evolução do Homo sapiens, que ainda tenta acompanhar isso. Mas o Mestre, como diriam, o corpo energético está chegando e está provocando tudo isso, bem, o sentimento de desorientação: “O que vem depois?” E medo: “Será que vou morrer? Será que vou enlouquecer?” E é quando a dúvida se instala.

 

Vocês são realmente muito bons em duvidar. Vocês aperfeiçoaram a arte da dúvida de muitas formas, e depois vocês buscam esse recurso: “Ahh, não sei o que fazer. Ah, eu sei. Eu vou me apegar à dúvida. Vou duvidar de tudo que faço. Vou me autoanalisar, vou me isolar, vou entrar num tédio completo, na falta de paixão e tudo mais.” De certo modo, isso é eficaz, porque isso esgota... esgota vocês. Eu ia dizer um palavrão, mas esgota vocês. E, ao se esgotarem, um fenômeno interessante acontece. Vocês estão vivenciando muita coisa neste momento, mas vocês não vão fazer nada errado. Vocês podem tornar isso uma “desgraça de vida”. Vocês podem fazer do jeito difícil, mas não podem fazer de forma errada. Vai acontecer. Está acontecendo – toda a ascensão. Eu disse desde o início, relaxem em direção à iluminação. Peguem leve. O humano não é responsável pela iluminação nem pode proporcioná-la. O humano não teria um conceito. O humano humanizaria a iluminação. Então, ela seria limitada. Então, seria... eh, seria realmente entediante.

 

O humano não pode realizar a iluminação porque vocês ainda operam com sentidos limitados. Mas, se o humano simplesmente permitir, relaxar em direção à iluminação, observar cada experiência, seja de dor no corpo físico, seja do mais puro tédio, e olhar pra isso e “uau! Olha o que está acontecendo”, vocês vão ver que, ao mesmo tempo, há uma enorme mudança no corpo – e não me refiro ao corpo físico, mas ao corpo energético que vocês são, e que acabará mudando o físico. E, não, vocês não vão ficar necessariamente 50 anos mais jovens ou parecer 50 anos mais jovens. Vocês não vão querer viver até estarem com 500 anos, eu garanto, estejam em seu corpo energético ou não.

 

Lembrem-se um instante, se puderem. Realmente lembrem-se, no nível celular, como era lá atrás nos tempos de Lemúria, onde vocês ainda eram muito etéreos, muito indefinidos. Vocês não tinham ainda se acoplado totalmente à biologia. Vocês ainda ficavam dançando com as formas de vida biológicas no planeta, mas não estavam ainda no ciclo de encarnações. Então, eram como luz, quase como vapor. É como se estivessem lá, mas não estivessem. Vocês vivenciavam isso, mas não ficavam presos aí. Lembrem-se disso um instante. Vocês todos passaram por isso.

 

[Pausa]

 

Foi quando, de fato, vocês desenvolveram um imenso amor pela natureza e, particularmente, pelos elementais. De certa forma é mais ou menos pra onde vocês estão indo. Em outras palavras, não tão pesados fisicamente, não tão ligados ao corpo ou à mente. É uma sensação esquisita. Como esses grupos de pessoas na Terra no momento, que vão seguir para a Subterra, esse novo lugar estabelecido para aqueles que gostam de rigor e resistência, vocês têm essa parte de vocês, agora, que está se prendendo demais ao velho – porque é tudo de que vocês realmente se lembram –, [se prendendo] ao corpo físico: “Quando meu corpo vai ficar melhor? Quando minha mente vai ficar mais afiada?” E não vai. Não vai, e não é pra ficar.

 

Não estamos aqui pra aperfeiçoar a condição humana, de modo algum. Primeiro, porque ela nunca pode ser aperfeiçoada. Existe, pode-se dizer, mais ou menos, um botão escondido bem lá dentro na energia de todo mundo que não permite o aperfeiçoamento da condição humana, porque, do contrário, vocês jamais sairiam daqui. Algumas peças do quebra-cabeça estão faltando. Em outras palavras, vocês nunca vão completá-lo. E essa é uma coisa boa, porque vocês ficariam realmente presos aqui.

 

Vocês estão passando por uma coisa neste momento que parece bem estranha para o humano, e é a perda do controle.

 

Agora, vocês todos têm altos níveis de controle, do contrário, não estariam aqui, particularmente os Shaumbra. E muitos dirão: “Não, não estou no controle.” A-ham! [Adamus finge tossir e alguns riem.] Acho que estou com indigestão. Não, vocês controlam o processo biológico e mental muitíssimo bem. Vocês se tornaram peritos nisso. Mas, agora, de repente, vocês estão perdendo o controle.

 

O humano está perdendo o controle, ou pelo menos a perspectiva do controle. O humano sente que tudo está desmoronando. Vocês não conseguem mais ter foco aqui. Vocês não podem depender dessa velha maneira de lidar com as coisas.

 

Nas últimas semanas, particularmente, vi muitos de vocês... vocês mal conseguem ler uma página de livro, porque os olhos ficam vagando. O cérebro fica vagando. Vocês pensam: “O que está errado comigo?” Claro que vocês concluem que estão ficando velhos ou ficando com Alzheimer, ou ficando desorientados. Vocês não estão. Estão simplesmente passando por uma transformação. Vocês estão perdendo o controle, e é exatamente assim que deve ser. Seu corpo está reagindo de formas estranhas.

 

Eu diria que, num dia típico, eu ouço cerca de 27% dos Shaumbra dizendo: “Ah, estou morrendo. Devo estar morrendo.” [Algumas risadas] É muito dramático, vejam bem: “Ohhh, estou morrendo. Estou ficando doente.” A maioria não está, mas é porque o corpo está mudando muito rapidamente neste momento. E, sim, às vezes dói. Se usaram aparelho nos dentes quando eram jovens, não foi uma coisa agradável, mas o resultado é que vocês ficaram com os dentes certinhos. Bem, aqui estão vocês passando por uma tremenda mudança no corpo. É mais fácil morrer, mas vocês não morreram. Vocês estão passando por uma tremenda mudança no corpo. Vai doer de vez em quando.

 

E a sua mente. Pobre mente. [Algumas risadas] Vamos falar sobre ela no ProGnost, mas a mente não vai trabalhar como antes. A mente não consegue, literalmente, e... é só um gostinho do ProGnost que está vindo – a era da mente acabou neste planeta. E não estou falando do futuro. Estou falando que já está aconteceu.

 

Os computadores são mais inteligentes que vocês. Mais rápidos, mais eficientes, não se lamentam tanto, não precisam ser alimentados. Os computadores são mais rápidos. Quando fazem uma busca no Google, acho que é assim que dizem, quando entram nessa ferramenta de busca e digitam... o que vocês digitam? [Alguém diz: “Donald Trump.”] Donald Trump. [Risadas] Digamos que vocês busquem no Google “Saint Germain”. Sim, sim, sim. [Alguém diz que é melhor.] É, sim. Bem melhor. Vocês buscam no Google “Saint Germain”. Numa fração de segundos, os computadores vão mostrar um trilhão de opções diferentes. Vejam, vocês dão “enter” e de vez em quando aquela coisinha começa a girar, cinco segundos se passam e vocês já estão xingando. [Algumas risadas] Passou por mais de um trilhão de potenciais diferentes, analisando todos os dados que estão por aí no planeta neste momento. Sua mente não consegue fazer isso. A era da mente... é esta; esta é a última era da mente.

 

Vocês são os que, de fato, estão liderando essa mudança, acreditem ou não. Mesmo os que dizem: “Quem? Eu? Eu não sou da área técnica.” Vocês não têm que ser. Vocês estão liderando essa mudança da mente. Agora, isso não vai mudar pelas próximas duas, três, quatro gerações. Vai levar um tempo. Mas é uma mudança dramática que está ocorrendo no planeta.

 

Um dicazinha sobre isso. Por que a mente tem que fazer cálculos complexos? Por que se sentar com um pedaço de papel e fazer cálculos matemáticos complexos quando podem apertar uma tecla? Por quê? Mas a mente está se sentindo... “Ah, meu Deus. Vou ser substituída por um computador, por um robô” E tem todo esse sentimento que se agrega ao elemento de desorientação. Então, vocês, Shaumbra, pensam: “O que está acontecendo com a mente aqui? O que eu vou fazer?” E, então, começam a tomar suplementos. Começam a tomar suplementos pra fortalecer a mente. E eu tenho que parar e dizer: “Cale-se.”

 

Respirem fundo. Respirem fundo. Deixem-se vivenciar o que está acontecendo sem lutar, sem se medicar e sem meditar. Permitam. Abracem isso. Estejam com isso. Vocês estão exatamente, exatamente, onde deveriam estar neste momento, fisicamente, mentalmente e tudo mais.

 

Não, não é bonito. Não é bonito. Não foi pra nenhum outro Mestre Ascenso. Nenhum deles teve uma iluminação bonita e agradável. A de vocês é, na verdade, mais fácil do que a deles. Pelo menos, vocês têm uns aos outros. Pelo menos, vocês estão juntos. Pelo menos, vocês têm a mim. [Adamus ri e alguns na plateia aplaudem.] E eu estou simplesmente aqui, de verdade, estou simplesmente aqui, porque vocês pediram um espelho. Só por isso. Não é realmente a minha sabedoria; é a de vocês. Não sou eu aqui fazendo graça e distraindo vocês. São vocês. Isto é criação de vocês.

 

Assim, vocês estão exatamente onde deveriam estar. Mas vocês estão passando por essa perda de controle no momento, e tudo bem. Esse é, na verdade, realmente um bom sinal. Quando vocês acham que as coisas não estão mais funcionando do jeito que funcionavam. Claro que não. Seu corpo vai passar por mudanças drásticas que não podem ainda ser avaliadas cientificamente, mas que serão certamente nos próximos anos.

 

Façam um exame de DNA agora. Façam. Digam, quanto custa? [Alguém diz: “Sessenta e nove dólares.”] Sessenta e nove dólares, que loucura! [Adamus ri.] Por uma sequência completa. Façam um exame agora. Voltem e façam outro daqui a três anos, e verão uma diferença. É. Usem um nome diferente, um endereço de e-mail diferente e tudo mais. Mas façam novamente e vejam o que acontece. Vocês estão exatamente onde deveriam estar, e estão perdendo o controle.

 

Agora, isso soa meio estranho. Perder o controle e entregar pra quem? Pra quem? Bem, para o Mestre, que são vocês. Mas, em vez de ficar num espectro limitado de sentidos e num espetro limitado de percepção e de expressão criativa, como o humano ficava, vocês agora estão se abrindo integralmente, e isso muda tudo. E muda o controle, que... se eu pudesse, eu diria a vocês: “Tirem o pé do freio e soltem as mãos do volante.” Vocês não estarão dando autoridade pra outro alguém – santos, arcanjos, Mestres Ascensos nem Deus. Não é: “Liberem e deixem que Deus assuma.” É: “Liberem, e deixem que o Eu Sou assuma.” E é muito assustador para o humano tirar as mãos do volante e o pé do freio: “O que vai acontecer?” E o humano está muito acostumado a controlar cada aspecto da vida dele. Liberem esse controle agora mesmo e observem o que acontece.

 

Não é uma coisa negativa para o humano. Em outras palavras, não estou dizendo que tem algo ruim com o controle. É apenas uma experiência que vocês tiveram. E não estou dizendo que vocês vão renunciar sua condição humana, porque vocês não vão. Mas vocês estarão abertos para o E, para os diferentes potenciais e possibilidades, para o Mestre dentro de vocês. Vocês estarão abertos para o E, e, por isso, parece tão estranho. E espero que todos vocês, nas últimas semanas, tenham passado por todo tipo de porcaria na vida, porque, então, significa que vocês realmente estão permitindo a iluminação. Se vocês têm dúvidas e coisas mentais, se ficam pra lá e pra cá, sem conseguir dormir bem, se estão comendo muito e depois não estão comendo o suficiente, se ficam se perguntando o que está acontecendo com vocês e se seu corpo dói, é porque vocês estão passando pela iluminação encarnada.

 

Sintam um instante. Alguns vão escrever livros incríveis ou fazer filmes fantásticos, vídeos que ninguém vai acreditar. Imaginem um instante o livro da sua iluminação. Mas não se tornem sérios quando pensarem nele ou realmente o escreverem. Não o tornem algo pesaroso. Como eu sempre digo, embelezem a coisa um pouco. Sejam meio teatrais. Parem de ficar tão presos na lama. Divirtam-se com a coisa. Vejam: “Uma coisa engraçada aconteceu comigo no caminho para a iluminação.” – Kuthumi – “Eu perdi tudo! Ehh! Perdi minha mente! Perdi tudo!” Divirtam-se com isso.

 

Sintam um instante. Seu livro da iluminação. Não é um tipo de texto altamente sagrado, entediante, mas é a descrição de toda uma transição do que vocês achavam que fosse apenas mais uma vida humana para uma transformação que, literalmente, está determinando o ritmo para a próxima evolução no planeta, porque a próxima evolução, a evolução no planeta, não vai se parecer com nada do passado, dos últimos cem anos, mil anos nem milhões de anos. A próxima evolução neste planeta será algo totalmente diferente. E vocês estão liderando... [Um celular dispara e Adamus assovia em sinal de desapontamento.]

 

LINDA: Oh-Oh.

 

SART: Droga!

 

ADAMUS: Donald, é você? [Risadas; Alice, a dona do celular que tocou, estava na abertura com a máscara do Donald Trump.]

 

LINDA: Uh-oh.

 

ADAMUS: É o Donald ligando?

 

LINDA: Uh-oh.

 

ADAMUS: Ou ele está tuitando. Isso é Twitter. Eu sabia que o Donald ia tuitar. [Mais risadas] Vamos deixar passar desta vez. Da próxima vez, vai para a privada. Podemos levar uma câmera pra lá e observar a descarga? [Mais risadas, inclusive de Adamus]

 

Assim, vamos respirar fundo com isso. E vou chegar ao ponto agora, ao ponto central deste shoud. Estou levando, nossa, uma eternidade pra chegar lá, mas vamos respirar fundo. Agora, é algo muito, muito importante. Estou levando um tempo pra desenvolver isso.

 

 

Está no Ar

 

Esse é o ponto em que vocês estão agora, apesar de toda a luta que vocês travaram pra chegar até aí. É aonde [chegaram] por causa do que vou chamar de maturidade – acho que é uma boa palavra –, por causa da maturidade de vocês, maturidade espiritual ou maturidade de percepção, por causa de sua capacidade de, pelo menos, começar a discernir as coisas. A maioria dos humanos não é muito boa nisso. Vocês não eram muito bons nisso, mas agora vocês têm capacidade de discernimento. Vocês tinham muito medo de julgar as coisas. Diziam: “Ah, não posso sentir o que se passa com as outras pessoas, porque, daí, eu estaria julgando-as.” Pfft! Eu não sei. Sart, um cara engraçado, um  cara legal, um cara estranho. Vejam, isso é discernimento. [Algumas risadas]

 

SART: Obrigado.

 

ADAMUS: E um grande coração. Mas isso é observar. Falei sobre isso em alguns encontros com os Shaumbra. Isso é observar. Não é julgar. Vocês têm muito medo de observar, de ficar conscientes de si mesmos e das coisas ao redor, porque vocês dizem que isso é julgamento. Não. Seguimos para além disso. É observação.

 

Vocês podem ver alguém no mercado: “Ah, minha nossa! Essa pessoa é tão feia quanto alguns daqueles suéteres que eu vi no Círculo Carmesim.” [Algumas risadas] “Ah, eu não devia pensar assim.” Não, está tudo bem – agora está OK –, porque tudo que vocês estão fazendo é captar os pensamentos e as projeções deles. Vocês não estão projetando isso. Vocês estão captando isso. Está no ar e vocês estão começando a captar isso.

 

Então, o ponto central, hoje, é: está no ar. Ah, e tem coisa no ar. Vou explicar daqui a pouco. Tem muita coisa no ar, e vocês vão começar a captar isso, porque vocês têm a maturidade, porque vocês têm o discernimento e não estão mais preocupados com o julgamento. Vocês ainda estão um pouquinho, mas, enfim, estão se permitindo discernir as coisas. Elas estão no ar.

 

EDITH: Eu queria captar os números que vão sair na loteria.

 

ADAMUS: Por quê? [Algumas risadas] Não, na verdade. Edith – sem o microfone ninguém on-line vai ouvir; que indelicadeza – disse: “Eu queria...” [Algumas risadas] Bem, vocês sempre devem pedir o microfone. Então, Edith disse: “Eu queria captar os números que vão sair na loteria.” É mesmo? Sério? É pra isso que estamos aqui?

 

EDITH: Não. [Ela ri.]

 

ADAMUS: Não, eu sei que você estava, em parte, brincando, mas, na outra parte, você realmente queria isso. [Algumas risadas] É pra isso que estamos aqui? Estamos tentando tornar o humano mais rico? Porque eu posso dizer agora mesmo o que vai acontecer com um humano que está nesse estado de consciência. Ele vai ganhar três milhões de dólares na loteria. Três anos depois, vai desejar nunca ter ganho. Porque está num determinado padrão energético e vai receber mais energia para apoiar seus hábitos ruins, se os tiver. E a maioria das pessoas que joga na loteria tem. Elas estão desesperadas. Querem alguma mágica, algum truque. E, na verdade, é a pior coisa que pode acontecer a elas. É apenas mais da mesma energia. Elas vão entrar mais fundo na falta de abundância. Por mais estranho que pareça, ganham três milhões, e o que fazem? Detonam tudo. Entram nas drogas. Distribuem pra todo mundo. A família agora passa a odiá-los. Os amigos também. É uma coisa horrível, porque é, simplesmente, colocar mais energia numa situação ruim.

 

Vocês não precisam se preocupar com isso, porque vocês não estão colocando mais energia no buraco humano, como eu chamo, na condição humana. E, portanto, de repente, vocês percebem: “Não preciso ganhar na loteria; não quero ganhar na loteria.” É na verdade uma assimilação da energia da consciência de massa que realmente não colabora com a jornada de vocês. Então, o que fazer, Edith? Em vez de ganhar na loteria, o que fazer?

 

EDITH: Bem...

 

ADAMUS: Pegar emprestado dinheiro da Joanne. [Risadas] Só não estou julgando. O que fazer?

 

EDITH: Eu só estava brincando.

 

ADAMUS: Só brincando, mas você não estava brincando. Essa é a verdade. Você estava brincando, mas não estava brincando. Então, está no ar: “Por que não podemos captar os números da loteria?” É melhor estar preparada com esse microfone, Linda.

 

LINDA: Quer que eu...

 

ADAMUS: Não, eis o que fazer. Agora, estamos meio que começando uma nova fase aqui. Ela se chama “está no ar” e significa tudo. Vou explicar daqui a pouco. Você respira fundo. [Adamus respira fundo.] Você desiste do controle humano, porque, Edith, você controla demais a sua vida e, na verdade, tenta controlar a dos outros, sinto dizer, mas não sinto dizer. Não, mesmo. Você exerce um tremendo controle. Você tem um grande coração, mas há muito controle na sua vida e você tem medo de largar isso. Então, o que fazer? Você libera o controle, respira fundo e permite que a energia chegue até você, sirva você. Não é ganhando na loteria. Você simplesmente fica lá, talvez entediada, sem nada pra fazer, com todo o tempo do mundo. Você fica lá e permite. Você não pensa. Não tem um mantra pra dizer. Você não diz: “Eeeuuuu permiitoooo a abundância.” [Algumas risadas] Você só fica lá, muda e feliz, e sem controle. [Algumas risadas] E, se precisar fazer alguma coisa, só levante as mãos e deixe que venha até você. Você é um ímã, você atrai energia, quer ela venha na forma de dinheiro, de amor, de punição, de sofrimento. Mas você atrai energia. Deixe que venha até você. É simples assim.

 

Se você sai por aí e tenta desesperadamente dar duro pra ganhar dinheiro e tentar ganhar na loteria, tentar esquematizar o sistema, não vai funcionar. Estamos indo para um lugar, na verdade, em que não dependeremos da energia, em que vocês não serão parasitas contando que tudo no mundo lhe dê suporte. Isso se chama soberania. Soberania. E digo já, está no ar.

 

“Mestre, me conceda a serenidade pra permitir as coisas que eu escolho, a coragem pra liberar as coisas que não são minhas e a sabedoria pra ver a maldita diferença entre ambas.” [Aplausos da plateia] Se puder escrever no quadro, por favor [falando com Linda]. Eu acho que foi... é.

 

LINDA: Ah, tá. Como se eu fosse lembrar. [Algumas risadas]

 

ADAMUS: Então, eu tirei isso de um programa de 12 passos, mas isto não é um programa de 12 passos?

 

LINDA: O...

 

ADAMUS: Porque... “Mestre, me conceda a serenidade...” Vamos colocar isso no quadro. Bela escrita. Mais rápido, mais rápido. “Mestre, me conceda a serenidade pra permitir as coisas que eu escolho.” Isso tem a ver com a minha premissa: O que é de vocês e o que não é? Só é de vocês – como Tobias disse com perfeição – as coisas que vocês escolhem.

 

LINDA: A serenidade para permitir.

 

ADAMUS: “... me conceda a serenidade pra permitir as coisas que eu escolho, a coragem pra liberar as coisas que não são minhas.” Sua família ancestral, sua biologia, nada disso é seu. Não é de vocês. Pertence aos ancestrais. Você é um deles, mas ainda assim não é de vocês.

 

“... a coragem...” Ah, ela está se concentrando. Esse corpo não é de vocês, mas ainda assim vocês se apegam a ele. Vocês o controlam. E agora o controle está começando a ir embora, e vocês estão ficando assustados. O corpo não é de vocês. O que eu chamo de corpo soberano, o corpo energético que está vindo, esse é de vocês e não está viciado em energia, nas outras pessoas nem nada disso como este corpo está.

 

“... a coragem pra liberar as coisas que não são minhas e a sabedoria pra ver a maldita diferença entre ambas.” Sim, vamos colocar o “maldita” aí, só pra sacudir um pouco as coisas. [Algumas risadas]

 

Os pensamentos da sua mente, eu já disse, não são de vocês. Não são. Provavelmente, algo entre 84 e 92% dos pensamentos não são de vocês. Eles vêm da consciência de massa. Vêm da hipnose. Vêm dos professores, dos pais, das pessoas ao lado de vocês, de todo mundo, menos de vocês.

 

Quais são os pensamentos de vocês? Aqueles que vocês escolhem. Só esses. É simples assim. É simples assim. O restante não é de vocês. E é preciso coragem, porque, de repente, vocês vão começar a perder o controle. Vocês liberam sua família. Vocês liberam os pensamentos que não são de vocês. Vocês liberam os hábitos e as maneiras que realmente não são de vocês. Vocês estavam hipnotizados com isso aí. Ou, não sei, caíram nessa por acaso ou o que for, mas não são de vocês.

 

Voltem para o que falamos no mês passado: O que está no seu coração? Bondade, compaixão. Compaixão, isso é de vocês. O que mais é de vocês? A sabedoria que está chegando. Mas o corpo, não. Sua família biológica, não. E eu sei que é difícil pra alguns de vocês. Vocês dizem: “Ah! Ele está desunindo as famílias.” Não, não estou. Estou dizendo pra serem realistas quanto à sua família biológica. Podem ser pessoas maravilhosas e vocês adorarem elas, mas elas não pertencem a vocês. Esse é um dos vínculos mais fortes no planeta agora. Com os filhos, é assim: “Ah! São meus filhos. Tenho que cuidar deles.” Babaquice. Eles não são de vocês. Nunca foram. Quando vocês superarem isso, quando vocês os amarem como os seres com alma que eles são, ótimo. Mas de vocês? Não. Responsabilidade de vocês, certamente que não. Mandem eles embora. Não é responsabilidade de vocês. Eles não pertencem a vocês.

 

E, vejam, é onde temos este conflito: “Ooh! Eu quero um pouco de liberdade, mas não toda essa coisa, porque eu tenho que cuidar dos meus filhos.” Não. Vocês não têm. Liberem isso e vejam o que acontece. Liberem outras pessoas na sua vida – energeticamente, emocionalmente. Não estou dizendo pra deixar ninguém, mas parem com as ações parasitárias delas e de vocês.

 

Isso exige muita coragem. E o que acontece, na maioria das vezes, é que vocês dizem: “Eu mereço 25 centavos de liberdade.” Então, não é liberdade até vocês valerem um dólar inteiro, a coisa toda. Não dá pra ter um pouquinho de liberdade, porque ainda não é liberdade. Não dá pra esticar a mão pra fora da jaula do zoológico e dizer que sua mão está livre, porque não está. Vocês só estão esticando a mão pra fora da jaula, e alguém vai passar e arrancá-la. Então, é necessário ter muita coragem pra liberar o que não é de vocês.

 

Agora, vocês vão dizer: “Bom, não sei bem o que realmente não é meu.” E vocês vão entrar nessa coisa de masturbação mental. Sejam claros. Tenham discernimento. Tenham essa maturidade: “Isso não é meu.” E, depois, permitam o que vier em seguida, porque, quando vocês se libertam das coisas na sua vida, todo esse processo de iluminação encarnada acontece mais naturalmente, mais suavemente. Mas, voltando ao ponto.

 

Tem muita coisa no ar, agora mesmo. No ar. Necessariamente, não digo isso literalmente, embora seja quase isso. Mas existem pensamentos, consciência, percepção, ideias, criatividade, flutuando no ar, e que são captados por vocês, pelo sentido da percepção que remonta de milhões de anos atrás, porque está tudo isso realmente acontecendo neste momento.

 

A ciência vai descobrir isso, quando ela realmente se aprimorar nas coisas, provavelmente não na existência de vocês, mas vão perceber isso na física quântica hipotética, em algum momento. Alguém vai escrever um documento, dizendo... Isso é só uma grande teoria, mas o que eu acho que esses físicos vão dizer é: “Por mais estranho que pareça, tudo existe e acontece no mesmo instante.” E dirão: “Portanto, o futuro já está aqui. O passado está aqui.” E os humanos que pensam de forma muito orientada pelo tempo dirão: “Ah, isso é confuso. É uma verdadeira bagunça.” Mas, de fato, não há separação de tempo, então, está aqui. Basicamente, isso significa que está no ar. Significa que a iluminação de vocês nesta existência está no ar. E, com a maturidade e o discernimento, vocês podem começar a senti-la.

 

Se vocês não discernirem as coisas – não souberem o que diabos querem, não tiverem maturidade, clareza nem nada disso –, tudo vai virar uma grande bagunça. Vocês vão captar tudo e ficar realmente confusos. Mas, quando se tornarem mais maduros e tiverem mais discernimento, vocês poderão captar o que está no ar.

 

Vocês estão no ar. Vamos começar com isso. O Mestre está bem aqui. O Mestre não chega num ser físico nunca. Chega na consciência. Eu digo “no ar”. Já está aqui. Já está aqui, e o Mestre fica sentando na cadeira, só dizendo: “Tudo bem, quando é que o humano vai liberar o controle humano pra permitir que o verdadeiro divino flua?” Porque o controle humano realmente não flui. O que há é um vício em energias. O que há é medo e muita dúvida. O Mestre está dizendo: “Eu fico só aqui, sentado, quieto, até que o humano libere o controle e permita. Permita o verdadeiro Eu – eu e o humano. O E.”

 

Aproveitem para sentir isso agora mesmo. Está no ar. Não está distante noutra galáxia. Não está no reino encantado espiritual. Está aqui, neste momento. Está no ar.

 

[Pausa]

 

No ar, também está toda a sabedoria de todas as suas existências. E pode parecer meio confuso, mas vocês têm existência que estão no futuro, mas que já aconteceram, então, meio que estão no passado. [Adamus ri.] Mais ou menos. Mas o humano pensa muito cronologicamente na ordem do tempo, mas não é assim, então, vocês têm uma tremenda sabedoria. Está no ar, neste momento. Vocês não a acessavam antes, porque vocês não se permitiam a maturidade ou o discernimento. Na realidade, vocês se trancaram. Vocês tinham medo, quase, de se abrirem. Vocês entraram no seu mundinho. E agora está no ar. Vocês podem se abrir.

 

Estão lembrando de que começamos falando daquela energia psíquica do feminino? Na verdade, ela está no feminino e no masculino também, mas vocês estão começando a manifestá-la agora. O feminino sabe como sair e expandir além do tempo. Vocês estão começando a permitir isso agora.

 

Agora, na condição em que vocês estão – meio que num estado de sobrecarga, de desorientação, e se sentindo desprovidos de controle –, vai ser bem estranho. Não estou dizendo que isso vai ser fácil. Vai ser bem estranho começar agora a se abrir para “o que está no ar”. Vocês estão no ar. É a sabedoria de vocês que está no ar. E muitas outras coisas também.

 

O modo como a consciência humana funciona é muito, muito interessante. Por exemplo, examinem a história, a época da invenção da lâmpada, por exemplo. Os americanos acreditam que foi Thomas Edison que inventou a lâmpada, não é? Todos sabemos disso. Não. Cerca de 27 inventores diferentes, em diversas partes do mundo, estavam trabalhando na mesma coisa, ao mesmo tempo. Está no ar. Vinte e sete. Agora, apenas cerca de seis ou sete foram realmente reconhecidos, mas eu sei que eram 27. Os outros ficaram na obscuridade. Nunca se soube deles.

 

Então, não foi apenas o brilhantismo de Thomas Edison, mas Thomas Edison teve a capacidade de sentir o que estava no ar. Ele não foi escolhido por Deus, pelo Espírito ou pelos seres de luz – hah, olha o trocadilho [algumas risadas] – pra ser o inventor, não, não. Estava no ar. Há uma coisa muito espetacular com relação à consciência e à condição humana. Ela meio que se infiltra numa consciência de massa, que, em geral, é meio pútrida, mas existem alguns bolsões aí que são brilhantes.

 

Está no ar, no sentido de que vocês começar a captar as coisas que estão na consciência, simplesmente flutuando ao redor, por aí. E que talvez ninguém mais irá captar.

 

Talvez o que esteja no ar, e que eu diria que é a evolução da consciência, seja o verdadeiro corpo de luz, o verdadeiro corpo energético – como prefiro dizer – ou o corpo soberano. Ele está no ar. Vocês não têm que se esforçar pra tê-lo. Sua mente humana não tem que entender, e não deve tentar entender isso. Está no ar. Está em toda a volta. Trata-se apenas de permitir.

 

A maioria das pessoas nunca captará, porque acham que é uma loucura dos infernos: “Do que você está falando?” Mas está no ar. Vocês sabem disso. Vocês conseguem sentir. Seu saber. Está no ar.

 

É uma enorme mudança na forma com que a mente humana opera. Falarei sobre isso no ProGnost. Reparem como estou passando todas essas dicas e mensagens subliminares. [Algumas risadas] “O que vem em seguida?” Essa é grande pergunta. Será que vamos ter mentes de computador? Não, de jeito nenhum. Não mesmo. Quem precisa disso quando existem computadores? Então, a mente evolui pra outra coisa. Ela assume uma nova posição. Ela não será o centro do vício que é agora. A mente vai assumir uma nova posição. E está no ar neste momento. E vocês podem captar isso. E, sim, isso pertence a vocês e é consciência. É de vocês porque vocês estão contribuindo pra essa consciência, assim como outros como vocês estão. Mas está no ar e vocês podem começar captando isso já.

 

As outras dimensões sobre as quais eu falo, as outras dimensões que são os sentidos que vocês, já faz tempo, esqueceram, estão no ar. O sentido da Beleza, o sentido da Compaixão, o sentido do Amor estão no ar. E não estou falando só de coisas que fazem vocês se sentirem bem. Estou falando das dimensões, porque os sentidos, os outros 200.000 sentidos que vocês não usam, estão no ar. Estão disponíveis. Vocês não têm que quebrar a cabeça, não têm que pôr a mente pra funcionar e entendê-los. O que estou dizendo é pra respirarem fundo e liberarem o controle. Está no ar.

 

Vocês, o humano, não são responsáveis pela iluminação de vocês. Ela está no ar. Vocês só precisam permitir e relaxar em direção a ela.

 

 

Merabh – Está no Ar

 

Vamos colocar uma música e, sem mais conversa, vamos até lá, no ar.

 

Respirem bem fundo.

 

Chegamos ao momento do merabh em que a conversa não nos serve mais. Seguimos além das palavras.

 

[A música começa.]

 

Então, colocamos a música e permitimos uma mudança de consciência.

 

Respirem bem fundo.

 

Levei um tempo pra chegar ao ponto central de hoje. O planeta está mudando muito, muito rapidamente.

 

O planeta está mudando muito rapidamente, neste momento. E vocês escolheram estar aqui nesta época por uma boa razão. Vocês queriam fazer parte disso. Queriam vivenciar como era passar pela transformação “durante o voo”. Vocês escolheram isso; ninguém mais.

 

É a época mais bonita. Sim, eu sei que, às vezes, é difícil, mas vai se tornar uma história e tanto. [Adamus dá uma risadinha.] E agora falamos sobre isso, que “está no ar”. Sempre esteve, mas quero realmente falar sobre isso com vocês agora. Eu gostaria que vocês começassem a vivenciar isso.

 

Vocês são capazes de permitir. Vocês têm a maturidade pra entender muito mais agora o que é de vocês e o que não é. Vocês liberaram muito do que não é de vocês. Vocês agora sabem o que é de vocês. Então, com esse tipo de equilíbrio, vocês podem começar agora a captar o que está no ar.

 

Será muito avassalador para a maioria das pessoas. Vejam, aqueles que se autodenominam psíquicos ou sensitivos, eles se esgotam rapidamente, porque, em sua maioria, eles não estão preparados pra entender o que é deles e o que não é. Eles captam todo tipo de coisa e muitas dessas coisas eles assumem como sendo deles – coisas boas, coisas ruins, coisas feias. Mas, agora, com discernimento e maturidade, vocês podem respirar bem fundo e sentir o que está no ar. O Mestre, a sabedoria das vidas passadas e futuras que vocês tiveram está no ar.

 

A consciência humana. Muita coisa está flutuando ao redor. Excelentes ideias que não foram implementadas porque as pessoas tiveram dúvidas e receios. Meios de cura verdadeiramente maravilhosos. Existem, como diriam, psicoterapias incríveis no ar, mas que ninguém teve a coragem de colocá-las em prática.

 

Vocês sentiram essas coisas no ar, mas vocês se seguraram. Vocês sentiram tantas coisas sobre si mesmos, e sabem do que mais? Vocês estão conseguindo senti-las cada vez mais perto de vocês.

 

Vocês sentiram tantas coisas sobre o Mestre, sobre o que vem em seguida. Vocês sentiram isso e depois duvidaram de tudo. Permitiram-se sentir um gostinho e depois se fecharam novamente.

 

Agora, chegamos neste ponto da iluminação encarnada em que é hora de sentir o que está no ar, deixar o Mestre chegar cada vez mais perto.

 

[Pausa]

 

A consciência humana inspirou, pode-se dizer, muitas ideias excelentes, muitos conceitos inovadores que não se manifestaram neste plano, nesta realidade, mas que estão no ar. Pode-se dizer que estão a meia respiração de distância, a meia dimensão. Estão flutuando por aí, assim como a invenção do avião. Muitas pessoas acham que foram os irmãos Wright... Na verdade, foi um francês, é claro. [Algumas risadas] Mas foram os irmãos Wright que se tornaram conhecidos por isso. Estava no ar, mas havia uns outros 12 trabalhando nos aviões, na época.

 

Agora, não era na época da Internet, onde tudo está disponível aí. Foi lá atrás, há muito tempo, quando não tinham como se conectar nem se corresponder. Mas é porque estava no ar.

 

O que está no ar agora é toda a energia, toda a beleza, devo dizer, desta mudança que está ocorrendo no planeta.

 

Permitam-se sentir um instante. Isso apaga muito do medo com relação ao que vai acontecer amanhã. Está no ar tudo que vai surgir desta evolução. Não estou dizendo que será fácil, mas o que virá será muito belo. Está no ar.

 

[Pausa]

 

A capacidade de sentir os seres angélicos que estão em volta, os seres não físicos que estão ao redor. Eles não estão aí pra resolver seus problemas na vida, mas é ótimo conectar-se com eles, porque, assim, vocês começam a perceber que há muito mais coisa por aí. Eles não vão dar respostas para a crise energética do humano ou para seus problemas psicológicos pessoais. Mas, quando vocês começarem a perceber que há muito mais aqui – eu digo aí fora, mas é realmente aqui –, de repente, vocês se libertam de uma realidade muito limitada. Vocês percebem que está no ar.

 

Seres não físicos. Seres angélicos. Seres que nunca estiveram nesta Terra antes, mas que estão muito curiosos sobre como é aqui. Todos eles estão no ar.

 

Vocês chegaram neste ponto do caminho em que estão aprendendo a permitir o que é de vocês. Vocês assumem a responsabilidade por isso, trazem isso para o coração repleto de compaixão que vocês têm. E vocês aprendem, com muita coragem, a deixar ir o que não é de vocês.

 

Os problemas do mundo não são de vocês, realmente não são.

 

Sua biologia ancestral e sua psicologia ancestral não são de vocês. Fizeram parte da evolução que os trouxe até aqui, creio eu, mas não pertencem a vocês.

 

Muitos dos pensamentos que correm pela sua mente e aos quais vocês tentam se agarrar realmente não pertencem a vocês.

 

[Pausa]

 

De repente, agora, com essa liberação, com essa clareza, estamos prontos pra entrar no que está no ar, no que está aí fora.

 

Outra maneira de dizer tudo isso é que toda essa experiência em direção à iluminação encarnada realmente não exige qualquer esforço. Exige muito de se permitir. Vocês não conseguem entender nem devem entender. Está no ar. Através do Mestre, através do Eu Sou, está no ar. E eu sei, agora mesmo, que esta é uma época estranha e desconfortável, porque vocês estão perdendo o controle do humano. Mas o que está no ar é o divino que não precisa de controle nenhum, porque não é viciado em energia.

 

Por favor, respirem fundo e, com a bela música que está tocando, deixem-se abrir agora.

 

Vou dizer uma coisa: vocês não vão se sentir sobrecarregados. Não vão. Expandindo a consciência, vocês não vão se sentir sobrecarregados. Vocês já aprenderam muito sobre o que é de vocês e o que não é.

 

O que está no ar? Sim, vocês vão sentir as dores dos outros humanos. Vocês vão senti-las, mas elas não são de vocês, então, vocês podem deixá-las ir.

 

Vocês começarão a sentir o Mestre e a sabedoria. Eles estão no ar.

 

Vocês sentirão as vidas passadas e futuras. Não tenho realmente falado muito sobre isso nos nossos encontros. Não quero focar demais nisso, mas vocês estão num ponto agora em que compreendem que elas não carregar uma história. As vidas passadas e futuras não carregam uma história; elas carregam sabedoria. Antes, se tratássemos de vidas passadas, vocês iriam se prender aos detalhes de cada uma delas, a seus dramas, sucessos e falhas. Neste momento, o que está no ar não é a história delas, mas a sabedoria delas.

 

Vocês chegaram a este ponto, agora, em que são capazes de verdadeiramente expandirem, se abrirem.

 

Entre agora e nosso próximo encontro, sinto que vocês vão realmente sentir as coisas que estão no ar, digo, o que está lá, o que é, pode-se dizer, diretamente seu, e o que não é.

 

Neste momento, bem aqui em nosso encontro, estejam vocês on-line ou no estúdio, temos o que chamariam de pulsos criativos no ar, realmente disponíveis pra qualquer um.

 

Temos histórias do futuro pra onde este planeta está indo. Isso está no ar. Não é destino. São simplesmente histórias que estão no ar.

 

[Pausa]

 

Agora, nós estamos nos abrindo mais à consciência humana e indo além para o que acredito que chamariam de consciência divina, mas que é apenas consciência. Agora, conseguimos nos abrir para isso. E, quando vocês se abrirem, com sua maturidade, com seu discernimento, vocês também poderão se abrir para vocês, para o Eu Sou, que também está no ar.

 

Como vocês saberão a diferença entre o que é o seu divino, o que é vocês, o que são os pensamentos da consciência de massa, o que são os arroubos de criatividade que estão no ar? Basta respirarem fundo e escolherem o que é de vocês e o que não é.

 

Algumas coisas que vocês vão começar a sentir, eu diria, são meio corriqueiras. “Ah, o Natal está no ar.” Ou: “A tensão está no ar.” Mas ao usarem mais o discernimento e mais o permitir, vocês realmente vão sentir muitas coisas diferentes. Espero realmente que as suas coisas e as da consciência de massa.

 

Quando vocês se abrirem pra sentir, discernir e permitir o que está no ar, isso vai continuar mudando seus sonhos, porque seus sonhos, seus sonhos noturnos estão realmente captando o que está no ar. Não tentem dissecar seus sonhos. Por favor, não façam isso agora. Vamos tratar mais da realidade dos sonhos, mas não como uma série de símbolos engraçados.

 

Vamos respirar fundo juntos e permitir. É hora de nos abrirmos para o que está no ar. São vocês e é muito mais coisa. Há uma abundância.

 

Vamos respirar bem fundo.

 

É hora de me retirar para o Clube dos Mestres Ascensos, onde uma ótima refeição e Jesus me esperam. [Risadas] É hora de vocês curtirem esta época de festas.

 

Vamos respirar bem fundo. E eu sei que, ultimamente, tem esse tremendo sentimento, eu acho, de desorientação e de perda do controle, mas tudo isso faz parte da coisa.

 

[A música termina]

 

Respirem bem fundo e honrem a si mesmos por estarem onde estão hoje.

 

E, com isso, lembrem-se: tudo está bem em toda a criação. Obrigado e Boas Festas. [Aplausos da plateia]

 

 

LINDA: E assim é. Peço, novamente, que respirem bem fundo e deixem esta experiência se integrar a vocês. Esta experiência individual... respirem bem fundo e deixem que ela permaneça com vocês. [...] Assim, com isso, obrigada por estarem aqui com o Círculo Carmesim este mês. E esperamos ansiosamente vê-los novamente em breve, no próximo shoud, aqui, no Centro de Conexão do Círculo Carmesim. Obrigada e Boas Festas a todos. Celebrem, sejam e permitam. Obrigada.

 

Tradução de Inês Fernandes – mariainesfernandes@globo.com